16 de abr de 2007

Ainda a Lei Cidade Limpa e as franquias

Ontem, postei o comentário aí abaixo bem cedinho. Tinha lido o Estadão, mas ainda não a Folha, que só fui ler no finzinho da tarde. E aí vi as fotos, na primeira página, mostrando um trecho da Av. Faria Lima, quase esquina da Cidade Jardim, em 2003 (cheio de placas e totens) e esta semana, já sem a maioria deles. É evidente que, como estava, ninguém conseguia comunicar nada a ninguém.

Lendo a matéria da Folha, ficou claro que as empresas, inclusive franqueadoras e seus franqueados, serão obrigadas a resgatar os conceitos da verdadeira identidade visual: fazer com que os elementos arquitetônicos e visuais levem o consumidor a identificar a marca, mesmo que ela não esteja explicitada.

Depois disso, só vai faltar investirem mais no recrutamento e seleção das equipes de venda. E na capacitação, gestão e motivação dessas equipes. Pois quem quiser ser notável (e memorável), conquistando e fidelizando clientes, precisa fazer coisas positivamente memoráveis. E o atendimento, na maioria das lojas, está abaixo da crítica.