23 de dez de 2011

Bom Natal! Feliz Chanuká! E até 2012!

Quem em 2012 todos os seus sonhos e planos se realizem.

Se é para sonhar, sonhe grande logo de uma vez

Quando criamos a Franchising University, em 1993, eu achava que estava sonhando grande. Meu sonho era chegarmos a 10 Turmas, antes de "aposentar" esse curso (que era uma coisa totalmente revolucionária para a época).

Pois já estamos na Turma 56! E não vemos nenhum motivo para não termos a Turma 57, a 80, a 90 e assim por diante.

Ou seja: mesmo quando eu acreditava estar "pensando grande", ainda estava sendo mais acanhado do que podia / devia. Deveria ter sonhado MAIOR AINDA.

Vou fazer uma provocação (endereçada tanto a você, que me lê, como a mim mesmo): Como andam seus sonhos e planos? Será que você não está "sonhando pequeno"?

22 de dez de 2011

A melhor cadeia de suprimentos do Mundo: a do Papai Noel

Meu amigo Donato Ramos - que também é diretor da Mundo Verde e meu colega no Conselho Consultivo da Sedi - replicou no Facebook este divertido texto escrito por um diretor da SAP. Gostei e decidi reproduzí-lo aqui:

Santa's Supply Chain: Best in the World? [texto de Richard Howells, da SAP]

"Gartner likes to publish the Top 25 Supply Chains every year. Unfortunately, there’s one supply chain the esteemed analyst firm continues to overlook. And it just so happens to be the greatest supply chain success story of all time. I’m talking about The Santa Claus Supply Chain. Don’t believe me? Who else can claim:

• A laser focus on the target market – Children of all ages

• 100% perfect order rating, on-time delivery and fill rates

• A global distribution channel that spans the world in 24 hours

• Direct Door to Chimney Delivery Model

• A committed workforce with zero turnover

• The very first known supply chain to run “in the cloud”

Let’s take a closer look at Jolly St. Nick’s supply chain superiority, shall we?

Manufacturing and Distribution Facility

At first glance, Santa’s manufacturing and distribution facility (the North Pole) is not ideally located from a logistical perspective. However he does have total control of his manufacturing and achieves tremendous economies of scale in production by having a single manufacturing facility (Santa’s Workshop).

It is also believed to be the largest single manufacturing plant in the world. With the global population surpassing 7,000,000,000 people, of which around 35% are under 19 years old (check out this cool dashboard to take a closer look at the world population in 2011 and beyond), the workforce (Santa’s Little Helpers) need to produce over six million presents every day of the year. As a result, inventory of billions of end products are built up towards the peak season (Christmas Eve) creating the ultimate warehouse management challenge.

In addition, The North Pole location is also a brilliant financial strategy as records show that it is it is exempt from all government taxes and regulations as, being located in the Arctic Ocean it is not owned by any single country and is considered “international territorial”.

Customer Service

Santa has an unblemished reputation for “delivering on the promise.” There’s never a late delivery, and in my experience, he usually delivers more than expected! I’d say that deserves a perfect order rating of over 100%. But how does Santa actually maintain such an accurate customer database (naughty and nice list)? With over seven billion records, it’s a prime example of “big data” and is of course more manageable because it’s “in the cloud”!

Order Processing

Traditionally, Santa has taken a large number of orders personally. Usually by face to face customer meetings (whilst sitting on his knee), or from letters delivered via the once popular mail system (older readers may remember it). Thankfully, Santa is no technology slouch either as he now accepts orders electronically through popular social networking sites (check out my prior blog Are You Ready for the Social Supply Chain?). That’s right boys and girls, even Santa is on Facebook. You can also follow him on Twitter @Santa or reach him via C2S (Child2Santa) at: santa@santaclaus.com.

Supply Network Collaboration

There is no official count of how many suppliers Santa deals with but I have heard that he leverages S2B (Santa to Business) process to collaborate (check out my prior blog Collaboration: The New Battle Cry of Supply Chain). I can only imagine the level of visibility that Santa requires to orchestrate purchase orders, shipments, in transit inbound inventory of raw materials and components, and the optimization of the transportation network to get all his supplies to the North Pole on time.

Supply Chain Planning

Santa’ demand forecasting must have him pulling at his beard when trying to synchronize supply to demand during S&OP meetings. He has millions of SKU’s that all peak at exactly the same time (Christmas Eve). He also has to deal with unbelievably short planning cycle times based on 1 on 1 order taking processes at strategically placed customer service centers (Santa’s Grottos) and Direct orders (letters to Santa) that are sometimes not available until point of delivery (with milk and cookies at the fireplace). These complex challenges require a very responsive planning system to manage “push/pull boundaries” in a very demand driven, finish-to-order planning and manufacturing process.

Transportation and Logistics

Santa has the logistical and fulfillment challenge of visiting every customer / location combination in a 24 hour period. Actually it is a 31 hour time period (read on). This is all done through his own logistics fleet of “a miniature sleigh, and eight tiny reindeer” (see “The Night Before Christmas” for more details). I have done a little research to find out a few of his logistical secrets:

• How Santa’s Sleigh works – It’s quite complicated, and I won’t bore you with the details, but it has something to do with his “antimatter propulsion unit” which apparently, allows him to travel faster than the speed of light.

• How fast does Santa’s sleigh go? – It has been estimated that Santa has to plan a transportation route that visit 822 homes a second to deliver all the world’s presents on Christmas Eve. Therefore, Santa travels at approximately 3,000 times the speed of sound!

• How much can his sleigh carry? – Assuming each child gets nothing more than a medium sized gift (2 lbs), the sleigh is carrying 2.1 million tons, not counting Santa, who himself is often described as “overweight”.

• How long does his trip take? By leveraging different time zones, Santa adheres to a 31 hour delivery run, which, I am sure breaks all Hours-of-Service (HOS) rules.

• How does Santa reduce supply chain risk? According to FAA folklore, if the weather’s ever bad on Christmas Eve, Santa is automatically cleared for flight thanks to the brightness of Rudolph’s nose (see Why is Rudolph’s nose red? for details).

• How does Santa fit everything in his sack? This is one of Santa’s greatest competitive advantages and, I believe, one of the best kept secrets in supply chain management. The answer came from a source close to Santa who told me that “The sack shrinks presents and they only get bigger when they’re in the right home”.

• How do the reindeer fly? A long time ago Santa and his helpers discovered magical oats and corn. When the reindeer eat the oats and corn they are able to leap high into the air and fly. (Source: www.santaclause.com). This is a very sustainable source of power, with a very low carbon footprint.

• How strong are the reindeer? On land, conventional reindeer can pull no more than 300 pounds so the eight flying reindeer do the job of about 1,633,333 of the “non flying” variety.

• How old is Santa? Santa is also proof of the aging driver population being over 1,700 years old.

Inventory Management

Santa also seems to have perfected his Inventory Optimization and safety stock planning, as you never hear of a “Santa Sale” on December 26th – a fact that’s been making his competitors pull their hair out for hundreds of years!

Tracking and Tracing

Because Santa flies a single delivery route and mode of transport, there is not a great need for individual RFID tags on each delivery. He has, however, in the past few years, taken advantage of a GPS Tracking device so that his customers can track and trace his movements and current location in real time; through a service provided by NORAD (my children love this). This is also a very good system for parents to “encourage” children to go to bed as they can now tell, to the nearest hour that “he is coming”.

So, based on the aforementioned, does Santa have the best supply chain in the world?

Would you dare say “no” and perhaps end up on his naughty list?

P.S. According to our records, Santa is not an SAP Customer, but a lot of his suppliers are.

Happy Holidays,

Richard"

21 de dez de 2011

Ótimo texto do meu guru Clemente Nobrega sobre o Método Barça

O que ele escreve se aplica como uma luva ao que meus sócios e eu estamos tentando no Grupo Cherto. E aposto que pode se aplicar também a sua organização:

Barcelona – a criatividade está no método [texto de Clemente Nobrega, publicado em seu blog em 19/12/2001]

"Sobre a inovação futebolística chamada Barcelona, a grande lição é a seguinte: a criatividade está num MÉTODO. Isso é bacana e vale em outros campos, até na arte e na ciência. São poucos os gênios que se destacam sem, digamos, estarem CONECTADOS a algo maior. É a conexão com um todo maior que potencializa a competência do indivíduo.

Os indivíduos têm que dominar fundamentos básicos – não errar passe, dominar bem a bola, por exemplo – mas o desempenho superior emerge sempre do coletivo. Milhares de jogadores pelo mundo dominam fundamentos, mas não fazem diferença porque estão em “coletivos” que não fazem diferença. Não conseguem conectar-se a nada maior que eles próprios.

Messi não joga na seleção Argentina o que joga no Barça. Daniel Alves idem, no Brasil. Nenhum jogador do Barcelona jogaria em qualquer outro clube do mundo o que joga lá. Faltam conexões. É o sistema – o método – “Barcelona” que os torna imbatíveis. Os clubes deveriam parar de contratar super-astros a peso de ouro; deveriam contratar MÉTODOS - sistemas culturais?! – a peso de ouro.

O Sistema que o Método implementa é mais importante do que qualquer ator individual, porque é ele que EDUCA esse ator. Sistemas só se consolidam com tempo para experimentar (e errar) porque são processos de EDUCAÇÃO. Nenhum método vencedor se instaura sem tempo para experimentação, o que é frontalmente contrário à mentalidade dominante no futebol (veja meu comentário ao post anterior).

O brilhantismo do Barcelona consagra essa verdade de outros campos. O gênio isolado é um mito, uma exacerbação da mentalidade midiática de hoje.

Celebridades não têm importância. Os executivos da GE que tiveram sucesso durante os 20 anos de Jack Welch lá, não tiveram sucesso equivalente em outras empresas. A APPLE só será realmente notável se tiver embutido em sua cultura o que Steve Jobs concebeu

A gente mexe em time que está ganhando, sim senhor!

O lema do Grupo Cherto (Cherto Consultoria + Cherto Educação Corporativa + Franchise Store) é: 1% melhor a cada dia. Todos os dias. E a gente leva isso muito a sério.

É óbvio que só consegue melhorar o que já é bom quem tem a ousadia de mexer em time que está ganhando. No nosso caso, às vezes a mexida é grande e às vezes é pequena. Mas tem mexida o tempo todo. Não nos acomodamos.

Sabemos que, se quisermos continuar líderes, precisamos estar antenados, nos antecipando às necessidades de nossos clientes. Dando um jeito de oferecer a eles o que sabemos que precisam, antes mesmo que eles se dêem conta de sua própria necessidade.

E foi exatamente isso o que fizemos - mais uma vez - quando decidimos ampliar o leque de serviços da Franchise Store e mudar seu local de funcionamento para um espaço mais sofisticado e mais acessível, que oferece aos clientes mais privacidade e nos garante mais agilidade.

Confira no vídeo abaixo os novos serviços da Franchise Store (que acaba de completar 3 anos de existência e é líder mundial na comercialização de franquias de terceiros):

1 de dez de 2011

A Nº 1 em venda de franquias no mundo agora chega ao México

A marca brasileira mais reconhecida quando o tema é a comercialização de franquias chega agora ao México, como resultado de uma parceria entre o Grupo Cherto e a Feher & Feher, principal consultoria de Franchising do México.

A Franchise Store, empresa que mais vende franquias de terceiros em todo o mundo, inaugurou ontem, 30/11/2011, na Cidade do México, sua primeira franquia. Com investimento de US$ 110 mil, a loja mexicana abre as portas oferecendo mais de 80 marcas aos interessados em adquirir franquias.

A expectativa dos gestores da loja mexicana é chegar ao fim de 2012 com 110 marcas sendo oferecidas e pelo menos 200 negócios fechados. A nova Franchise Store ocupa um prédio de 400m² em Polanco, área nobre na Cidade do México. O modelo de negócio idealizado e desenvolvido pelo Grupo Cherto e inaugurado em São Paulo no final de 2008, foi replicado no México graças uma parceria com a consultoria Feher & Feher, cujos controladores são conhecidos de longa data dos sócios do Grupo Cherto, tendo já desenvolvido vários projetos em conjunto.

Aliás, Ferenz Feher foi presidente da IFCN - International Franchise Consultants Network, cargo hoje ocupado por Fernando Campora, que é sócio e diretor do Grupo Cherto.

Desde o início, o projeto Franchise Store previa a reprodução do modelo em outras praças do Brasil e, posteriormente, em outros países. "Sabíamos que tínhamos algo inovador e com forte demanda do mercado. Mas inicialmente focamos nossos esforços em consolidar a marca em São Paulo – centro de negócios no país - para depois iniciar nossa expansão,” conta Marcelo Cherto, sócio fundador do Grupo Cherto, do qual faz parte a Franchise Store.

A idéia era abrir antes uma loja no Rio de Janeiro, para só depois pensar em partir para o Exterior. Mas o aumento vertiginoso nos custos de ocupação no RJ, onde luvas e aluguéis andam nas alturas, levou à aceleração na implantação dos planos de expansão internacional.

A Franchise Store no Brasil completa seu terceiro ano de vida com mais de 600 franquias comercializadas, tendo movimentado até hoje mais de R$ 350 milhões em investimentos. Isso, sem falar nos mais de 400 pontos comerciais que a empresa analisou e negociou para seus clientes. “O resultado desse trabalho é tão positivo, que hoje a Franchise Store é referência nas Américas. E agora nossa marca já está do outro lado do continente. Tudo isso em menos de 3 anos!”, comemora Filomena Garcia, sócia diretora da Franchise Store.

28 de out de 2011

Nem sempre os especialistas estão certos...

Fuçando os meus guardados, dei com o texto abaixo, que escrevi e publiquei há alguns anos, mas que - acho - continua atual. Tanto que decidi voltar a compartilhá-lo com os leitores deste blog:

Nem sempre os especialistas acertam (texto de Marcelo Cherto)

Não sei você, mas eu não agüento mais ler nem assistir a entrevistas com especialistas que prevêem diariamente a “derrocada do capitalismo”, o “fim dos tempos” e tudo quanto de pior possa acontecer às empresas e à economia mundial. Será que dá mesmo para guiar nossas ações pelo que dizem esses “arautos do caos”?

A verdade é que, na História da Humanidade, muitos especialistas já cometeram erros estrondosos em suas previsões. Quer uma prova concreta? Que tal as frases a seguir? Por mais que pareçam piadas, foram mesmo pronunciadas a sério por especialistas nas respectivas áreas:

Não há motivo para alguém querer ter um computador em casa. [Ken Olson, fundador e presidente da DEC - Digital Equipment Corporation, em 1977]

Quem diabos iria querer ouvir a fala dos atores, num filme? [H.M. Warner, fundador da Warner Brothers]

Não gostamos do som deles. E, além disso, música de guitarras logo vai sair de moda. [executivo da Decca Records que se recusou a contratar os Beatles, em 1962]

Tudo o que o Ser Humano poderia inventar já foi inventado. [Charles H. Duell, então Diretor do Departamento de Patentes dos EUA, em 1899]

Até junho deste ano, o Rock’n Roll vai sair de moda. [revista Variety, no início de 1956]

Esse tal de telefone tem muitas falhas para ser levado a sério como um meio de comunicação. Esse aparelho é inerentemente desprovido de qualquer valor para nós. [memorando interno da Western Union, em 1876]

Portanto, antes de entrar em desespero com o que você lê nos jornais, escuta no rádio ou assiste na TV, tenha fé em si mesmo, entenda seus clientes, ofereça o que eles querem de um jeito melhor que seus concorrentes, por um preço que aqueles estejam dispostos a pagar e que seja mais do que você gasta para produzir e entregar o que lhes vende.

Inove continuamente (em produtos, soluções, abordagens, canais de vendas, modelos de negócio, etc), seja relevante, faça uma diferença positiva na vida de seus clientes e nunca se acomode.

E você vai ver que as previsões dos tais “arautos do caos” não vão se materializar. Ao menos, não para você e sua empresa.

27 de out de 2011

Inovação na contratação de executivos?

Um amigo me contou de um empresário que, quando quer contratar alguém, pede a RH que faça uma pré-seleção rigorosa, entrevista os melhores e depois pega os currículos dos que mais gostou, joga todos para o alto e agarra um no ar. E contrata o dono desse currículo.

Justificativa: "preciso ter na equipe gente que, além de conhecimentos, habilidades, atitude e fit, também tenha sorte."

Não sei se é verdade, ou piada. Mas, como dizem os italianos, si non é vero, é bene trovato.

22 de out de 2011

Para saber quem, de fato, é seu concorrente...

...você precisa entender com clareza qual é a função que seu produto ou serviço cumpre para cada cliente ou prospect em cada situação específica. Qual é o que os gringos chamam de job to be done pelo produto ou serviço naquele momento.

Portanto, um vestido pode ter como concorrentes uma viagem, uma jóia ou um objeto de arte, se a função a ser cumprida, para um determinado cliente (na verdade, prospect), naquele momento, é presentear a mulher que está chegando aos 30, 40 ou 50 anos de idade. E a gaveta pode ser o grande concorrente de um projeto de consultoria, cujo verdadeiro objetivo, naquele momento, é dar segurança ao prospect quanto ao caminho a seguir.

Fica óbvio, então, que o que você oferece ao mercado pode não SER concorrente direto de certos produtos ou serviços, mas, num determinado momento, pode ESTAR concorrente deles.

2 de out de 2011

Não compre uma franquia...

... sem antes ler o e-book que você pode baixar gratuitamente clicando na imagem abaixo:

11 de jul de 2011

As revoluções da informação (texto de Clemente Nobrega)

Mais uma vez, meu amigo, parceiro e guru Clemente Nobrega põe o dedo na ferida, em sua coluna de junho na revista Época Negócios, que tomo a liberdade de reproduzir aqui:

"As Revoluções da Informação:

Em 1999 - no auge do ôba ôba da Internet pré estouro da bolha - Peter Drucker escreveu: ”a verdadeira revolução da informação ainda não aconteceu. Ela não terá a ver com TI,computadores ou artefatos. Será sobre o “fora” das organizações.Vai enfatizar mais o “I” que o T”. Para ele, o que estava em curso era o desdobrar de uma dinâmica iniciada quando o homem inventara a linguagem. Era uma coisa “gramatical”. Ninguém entendeu nada, mas hoje parece mais claro. Veja.

Nossa revolução da informação é a quarta na história - depois da escrita, do livro manuscrito e da palavra impressa. Nas anteriores, o que sempre ocorreu foi, digamos, um movimento “para fora”, uma expansão de limites. A palavra escrita foi inventada para registrar transações comerciais entre dois indivíduos, o livro manuscrito expandiu o alcance da comunicação para mais gente e a palavra impressa levou nuances novas de imaginação e conhecimento para além das clausuras dos mosteiros (que era onde o saber dos manuscritos se concentrava). A informação digital fragmenta mais ainda tudo o que é monolítico e concentrado. O efeito dessa “coisa” se manifesta de múltiplas formas.

Pense em profissões: um técnico manipulando softwares CAD/CAM produz o que há 20 anos exigia times inteiros de especialistas. A animação digital da PIXAR desconstruiu os ilustradores da Disney. Os algoritmos de risco de crédito detonaram a pose dos analistas financeiros. Fotografar virou uma câmera digital que até sua avó manipula.

Inovação que muda o mundo vem sempre da eliminação de barreiras que impediam que alguma coisa ganhasse escala (pense em redes sociais contribuindo para derrubada de tiranos). O mainframe vira um PC que se fragmenta em dispositivos de mão. Lugares onde tínhamos de ir foram eliminados - o centro de processamento de dados (CPD) evaporou-se, agora temos múltiplos datacenters e a “nuvem”. O centro de cópias deu lugar a uma pequena impressora em sua mesa. A autoridade migra do supervisor para o operário da linha de montagem, que pode interromper a produção quando detecta um erro. O processo de P&D sai da Procter&Gamble, da Merck ou da Pfizer, torna-se “open” e vai para uma rede externa. Idem para estruturas de comando militar - do ponto de vista da informação, trabalhadores operando estruturas enxutas numa linha de produção e um comando autônomo que captura uma base terrorista – são processos análogos: em ambas as operações, a decisão, a cada momento, é tomada na ponta. Quem lidera não manda nem controla, apenas orquestra. Não precisa estar lá supervisionando nada. O banco vai até você (caixa eletrônico, bank line), o supermercado vai até você (e-commerce). Educação e saúde - os setores mais impermeáveis a essa dinâmica - também irão até você. Sistemas de ensino irão até o usuário. O hospital, os exames, o médico e o tratamento irão até você.

Era disso que Drucker falava. Não é TI. Palavras, leituras e significados mudam porque as barreiras ao “imaginar” e ao “fazer” desmancham-se no ar dissolvidas pela informação."

7 de jul de 2011

Você e eu não somos tão racionais quanto gostamos de acreditar que somos...

Este vídeo ajuda a entender um pouco melhor como nossos cérebros funcionam. Vale a pena assistir. Para legendas em Português, clique sobre o botão ao lado da frase "Subtitles available in", role a barra e clique sobre "Portuguese (Brazil)".

1 de jul de 2011

Coisa de comunista?

Essas lojas de importados da Avenida Europa com seus carrões magníficos expostos ostensivamente devem ser fruto da mente de algum radical da velha guarda do Partidão, com o objetivo de provocar a tal Revolta das Massas.

30 de jun de 2011

Tem gente que morre lentamente

Minha mulher me chamou a atenção para o texto abaixo, de autoria de Martha Medeiros, publicado no blog Reparei, da nossa amiga Renata. Gostei tanto, que resolvi reproduzí-lo aqui:

"Morre lentamente quem não troca de idéias, não troca de discurso, evita as próprias contradições.

Morre lentamente quem vira escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajeto e as mesmas compras no supermercado.

Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru e seu parceiro diário.

Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o preto no branco e os pingos nos is a um turbilhão de emoções indomáveis.

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho, quem não se permite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.

Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não acha graça de si mesmo.

Morre lentamente quem destrói seu amor-próprio.

Morre lentamente quem não trabalha e quem não estuda, e na maioria das vezes isso não é opção e, sim, destino

Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projeto antes de iniciá-lo, não perguntando sobre um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe.

Morre muita gente lentamente, e esta é a morte mais ingrata e traiçoeira, pois quando ela se aproxima de verdade, aí já estamos muito destreinados para percorrer o pouco tempo restante."

16 de jun de 2011

Cherto Consultoria procura estagiários de Administração de Empresas

Se você (ou alguém que você conhece) é "fera" e estuda Administração na FGV, ESPM, IBMEC, FEA-USP ou FAAP e está a fim de trabalhar (e aprender) na Cherto, por favor envie seu currículo para cv@cherto.com.br.

15 de jun de 2011

Cherto Consultoria também procura consultores para sua área de Planejamento

Se você preenche (ou conhece alguém que preencha) os requisitos relacionados abaixo e está a fim de trabalhar na Cherto desempenhando as atividades também descritas a seguir, basta enviar seu currículo para cv@cherto.com.br.

PRÉ-REQUISITOS:

•Formado em Administração de Empresas, Engenharia ou áreas correlatas (de preferência numa destas escolas: FGV-EAESP, POLI, IBMEC, USP, ESPM, FAAP)

•Disposição para aprender e se desenvolver continuamente

•Capacidade analítica

•Boa visão de negócios

•Bom relacionamento interpessoal

•Capacidade de se auto-motivar

•Proatividade

•Interesse em trabalhar em ambiente agradável e divertido, mas também desafiador, no qual suas responsabilidades e sua evolução profissional serão proporcionais à sua capacidade de entregar resultados.

•Capacidade de questionar, repensar e otimizar modelos de negócio

•Inglês fluente

•Desejável: Espanhol

•Sólidos conhecimentos de informática (Word, Excel, PowerPoint), Internet e ferramentas de busca

•Desejável: experiência na área de Consultoria ---

ATUAÇÃO:

•Envolvimento no planejamento de ações que permitam aos clientes da Cherto crescer de forma sustentável e ocupar o mercado de forma estruturada e com os melhores resultados possíveis, seja (A) gerindo melhor os canais de vendas tradicionais: distribuidores, franquias, revendas, equipes porta-a-porta, agentes autorizados, corretores, pontos de venda próprios, equipes de venda próprias ou terceirizadas, representantes comerciais e outros, e/ou (B) criando e gerindo de forma efetiva novos canais de vendas;

•Levantamento e organização de informações sobre os mais diferentes segmentos de mercado, tanto à distância (desktop research), como em campo;

•Análise dos concorrentes mais relevantes de nossos clientes;

•Análise de tendências do mercado e de setores específicos;

•Análise de negócios (do cliente e seus canais) e definição de novos modelos de atuação; e

•Outras atividades que contribuam para que os clientes da Cherto possam vender mais e melhor, em mais mercados, para mais clientes e consumidores, com melhores resultados e menos riscos.

Cherto Consultoria precisa aumentar seu time de consultores de Processos

Se você preenche (ou conhece alguém que preencha) os requisitos abaixo e está a fim de trabalhar com a gente, basta enviar seu currículo para cv@cherto.com.br.

Pré-requisitos básicos para o(a) Consultor(a) de Processos que buscamos:

•Ser formado(a) em Administração de Empresas, Engenharia, Ciência da Computação ou curso superior correlato.

•Gostar de aprender.

•Ter boa visão de negócios.

•Ter boa capacidade analítica.

•Ser capaz de manter um bom relacionamento com clientes, com o restante da equipe e com pessoas em geral.

•Ter interesse em trabalhar em ambiente agradável e divertido, mas também desafiador, no qual suas responsabilidades e sua evolução profissional serão proporcionais à sua capacidade de entregar resultados.

•Ser capaz de questionar, repensar e otimizar processos.

•Ser capaz de desenhar processos para negócios que ainda não se encontram em funcionamento.

•Ter um domínio razoável dos softwares Word, Excel e PowerPoint e familiaridade com a Internet e as principais ferramentas de busca.

•De preferência, com experiência em Consultoria.

•De preferência, que fale razoavelmente bem Inglês e, se possível, tenha boas noções de Espanhol.

----

Principais atividades em que esse consultor deverá se envolver:

•Desenvolvimento de Processos, Manuais, Guias e outras ferramentas de gestão de canais que melhores o resultado alcançado pelas empresas clientes da Cherto e pelos respectivos canais de vendas (distribuidores, franquias, revendas, agentes autorizados, pontos de venda próprios, equipes porta-a-porta e outros);

•Levantamento de informações sobre a forma de operar dos clientes e dos respectivos canais, desenho dos fluxos dos processos identificados e registro dos mesmos em diferentes formatos, como manuais, guias de processos e outros que facilitem sua aplicação prática; e

•Outras atividades que contribuam para a estruturação de modelos de negócio que gerem bons resultados para os clientes da Cherto e os integrantes de seus canais de vendas.

14 de jun de 2011

Comprometimento é fundamental. Indicações, mais ainda.

Gostei tanto do texto abaixo, publicado por meu amigo (e guru) Francisco Madia em seu blog, que tomei a liberdade de reproduzí-lo aqui:

"Perguntado por MEIO & MENSAGEM sobre os critérios que determinaram a escolha da OGILVY para atender a conta publicitária da JAC, SERGIO HABIB assim explicou:

1 - DILIGÊNCIA – “Selecionamos as cinco maiores agências que não têm conta de carro. Fiquei três horas em cada uma dando o briefing pessoalmente. Dois meses depois as agências fizeram a apresentação. A OGILVY foi muito agressiva: foi ao Chile, comprou os carros, e veio até São Paulo dirigindo. Eles não foram brilhantes na exposição deles. Pela exposição que eles fizeram não ganhariam. Mas o fato de terem ido ao Chile, pegarem o carro, rodarem quatro mil quilômetros, me convenceu que eles iam dar o melhor deles para trabalhar com a JAC “;

2 – INDICAÇÃO – “Eles me mostraram um vídeo da LUIZA, do MAGAZINE LUIZA, falando, “Sergio, você pode trabalhar com esta agência, é muito boa, eu estou muito feliz trabalhando com eles”.

Conclusão, quando as diferenças não são significativas e nenhum dos concorrentes é brilhante, escolhe-se quem demonstrou maior comprometimento e paixão; em eventual dúvida, recorre-se a uma autoridade: alguém que tenha credibilidade dentre os que compraram e usam o serviço, e esteja feliz."

10 de jun de 2011

Você tem idéia de quanta coisa acontece na Internet em apenas 60 segundos?

Este infográfico dá uma idéia. E me faz lembrar a velha canção de Caetano: "quem lê tanta notícia?".

60 Seconds - Things That Happen On Internet Every Sixty Seconds
Infographic by- Shanghai Web Designers

6 de jun de 2011

Antes de ir à ABF Franchising Expo...

Pensando em visitar a maior feira de franquias do Brasil (e uma das maiores do Mundo), que acontece em São Paulo de 08 a 11 de junho? Faz muito bem. Haverá centenas de oportunidades lá, para quem estiver analisando a possibilidade de iniciar um novo negócio mediante a aquisição de uma franquia.

Para estar preparado para fazer as perguntas certas aos expositores, sugiro que, antes de ir, baixe e leia o e-book gratuito que você encontra clicando aqui.

Boa feira! Bons negócios!

IFCN - International Franchise Consultants Network agora tem um presidente brasileiro

Meu sócio Fernando Campora, diretor da Cherto Consultoria e da Franchise Store, foi eleito hoje Chairman da IFCN - International Franchise Consultants Network, organização que congrega as principais consultorias de Franchising da Europa, Índia e América Latina.

Nós, do Grupo Cherto, estamos todos muito orgulhosos.

Marcas que estarão no stand da Franchise Store na ABF Franchising Expo

Atualmente a maior feira de franquias do mundo, a ABF Franchising Expo acontece esta semana (de 4ª a sábado) no Expo Center Norte, em São Paulo.

A Franchise Store terá um dos maiores stands do evento, no qual estarão expostas as seguintes franquias: Yoggi, Andarella, Redley, Cantão, Xuz, Fórmula Academia (do Grupo Bodytech), Animafest (artigos para festas), Emporio Bijux, Alphagraphics, La Pasta Gialla, Pastelândia, NetCallCenter (uma franquia inovadora: de call centers), Swains, Casa das Calcinhas e Deny Tennis.

Vá nos visitar.

Inovação em Marketing: outdoor interativo do McDonald's na Suécia

Meu sobrinho Leo De Cara foi quem me enviou o link para esta ação de Marketing totalmente inovadora: um outdoor que, na verdade, é a imensa tela de um jogo, cujo controle é assumido por consumidores via um website que se acessa com qualquer telefone conectado à internet. Jogando por 30 segundos, qualquer um pode ganhar cupons que valem produtos gratuitos numa loja McDonald's. É mais fácil entender vendo:

4 de jun de 2011

Saiba quanto paga de imposto - filme imperdível

Pagar já é um pepino. Pagar um valor absurdo, pior ainda. Mas o crítico mesmo é a gente pagar um absurdo e não saber como e no que o dinheiro é usado. Pensando bem, o mais trágico é que, ao menos uma parte, a gente sabe MUITO bem como é usada...

2 de jun de 2011

Nada mal para um comercial (viral) de uma marca de óculos...

Belíssimo filme (ótima fotografia, música bacana, cenário bonito, atriz maravilhosa, ator carismático). Vale a pena assistir... mesmo sabendo que se trata apenas de uma ação para divulgar a marca de óculos Oliver Peoples. Que tem produtos bem legais, diga-se de passagem.

Devendra Banhart's Love-In on Nowness.com.

1 de jun de 2011

No ar o Episódio 7 (o último) da série Os 7 Pecados Capitais do Franchising - a Preguiça

Clique aqui para assistir. Quando o Vimeo abrir, você pode clicar sobre as letrinhas HD (próximo canto inferior direito) para desativar a High Definition (Alta Definição) e, assim, obter um streaming mais rápido e sem interrupções.

30 de mai de 2011

Vai à Feira de Franquias?

Você não deve ir à Franchising Expo, que acontecerá no Expo Center Norte em São Paulo nos dias 08 a 11 de junho, sem antes ler o e-book "Dicas Práticas Para Quem Pensa em Investir Numa Franquia" que você baixa gratuitamente clicando aqui.

27 de mai de 2011

Uma das melhores ações de Marketing que já vi na vida!

O Paulo Fodra, multi-talentoso profissional que integra a equipe Cherto, foi quem me enviou o link para o vídeo abaixo. Nem vou explicar muito. É só clicar na imagem abaixo e assistir e você vai compreender porque achei esta ação de Marketing da Heineken uma das melhores de todos os tempos.

26 de mai de 2011

Atenssão, peçoal !!! O Português foi pro buraco !

Meu amigo Luiz Eduardo Menezes me enviou o texto abaixo, que teria sido publicado no Jornal do Brasil. Se não foi, vale a pena ler de qualquer jeito.

"R E P A Ç A N D O . . . [texto de Carlos Eduardo Novaes, publicado no Jornal do Brasil]

Confeço qui to morrendo de enveja da fessora Heloisa Ramos que escrevinhou um livro cheio de erros de Português e vendeu 485 mil ezemplares para o Minestério da Educassão. Eu dou um duro danado para não tropesssar na Gramática e nunca tive nenhum dos meus 42 livros comprados pelo Pograma Naçional do Livro Didáctico. Vai ver que é por isso: escrevo para quem sabe Portugues!

A fessora se ex-plica dizendo que previlegiou a linguagem horal sobre a escrevida. Só qui no meu modexto entender a linguajem horal é para sair pela boca e não para ser botada no papel. A palavra impreça deve obedecer o que manda a Gramática. Ou então a nossa língua vai virar um vale-tudo sem normas nem regras e agente nem precisamos ir a escola para aprender Português.

A fessora dice também que escreveu desse jeito para subestituir a nossão de “certo e errado” pela de “adequado e inadequado”. Vai ver que quis livrar a cara do Lula que agora vive dando palestas e fala muita coisa inadequada. Só que a Gramatica eziste para encinar agente como falar e escrever corretamente no idioma portugues. A Gramática é uma espéce de Constituissão do edioma pátrio e para ela não existe essa coisa de adequado e inadequado. Ou você segue direitinho a Constituição ou você está for a da lei - como se diz? - magna.

Diante do pobrema um acessor do Minestério declarou que “o ministro Fernando Adade não faz análise dos livros didáticos”. E quem pediu a ele pra fazer? Ele é um homem muito ocupado, mas deve ter alguém que fassa por ele e esse alguém com certesa só conhece a linguajem horal. O asceçor afirmou ainda que o Minestério não é dono da Verdade e o ministro seria um tirano se disseçe o que está certo e o que está errado. Que arjumento absurdo! Ele não tem que dizer nada. Tem é que ficar caladinho por causa que quem dis o que está certo é a Gramática.

Até segunda ordem a Gramática é que é a dona DA verdade e o Minestério que é DA Educassão deve ser o primeiro a respeitar."

25 de mai de 2011

19 de mai de 2011

17 de mai de 2011

5 de mai de 2011

Educar é dar o exemplo. Liderar também é.

O Blues que o "Dr. House" faz é ótimo...

... mas a melhor coisa deste vídeo é quando ele diz que resolveu gravar um CD porque já está com 50 anos e acha que não vai se sentir mais inteligente daqui a alguns anos tendo que dizer a si mesmo "ah, eu deveria ter feito aquilo". Uma lição de vida para quem deixa para "depois" o que deveria fazer agora por medo de errar, por medo de ainda não estar pronto, por medo de pagar mico, por medo de... em suma, por medo.

Como diz meu colega de Academia Brasileira de Marketing Nizan Guanaes, "é melhor aproximadamente agora que exatamente nunca".

Dito isto, sugiro que você clique na imagem abaixo e curta uma amostra do bom Blues do Dr. House:

1 de mai de 2011

Ao menos uma companhia aérea deixa passageiros felizes

Veja que bela sacada de Marketing a surpresa que a SPANAIR fez aos passageiros de seu vôo que saiu de Barcelona para Las Palmas na noite de 24 de dezembro.

Sabendo que tais passageiros passariam o Natal a bordo (ou, na melhor das hipóteses, no aeroporto de Las Palmas), a empresa armou esta:

29 de abr de 2011

Comercial simplesmente genial!

Imperdível! Dos melhores dos últimos tempos. E tanto a agência, como o diretor, como a Docomo juram que não tem nada fake. Apenas o volume de algumas notas foi ajustado, para ficar equalizado com o das demais.

Foi meu amigo Gândara quem me enviou o link desse comercial. Para conferir o "making of", clique aqui.

Aproveite enquanto é gratuito

Clique aqui para fazer o download gratuito do nosso e-book com dicas e alertas para quem pensa em investir numa franquia.

Marisa manda conjunto de lingerie de presente para Kate

Mandar de presente para a nova princesa um jogo de lingerie sexy com um cartão que diz: "Você conquistou o solteiro mais cobiçado do mundo. Aqui vai um presente que vai ajudar você a mantê-lo". Eis aí uma bela jogada de Marketing! Irreverente e divertida. Bem ao gosto do brasileiro (não necessariamente dos ingleses, mas a campanha não se dirige a eles mesmo). Clique aqui para saber mais detalhes e ver uma foto do presente.

Se você nunca fracassou, você não viveu

28 de abr de 2011

26 de abr de 2011

O verdadeiro custo

Outra ação genial do Bar Aurora & Boteco Ferraz:

25 de abr de 2011

Fechou a última fábrica de máquinas de escrever do Mundo

Só restava essa ainda em funcionamento. Ficava em Mumbai, na Índia. E fechou as portas hoje. Clique aqui para ler matéria a respeito. O link para esse artigo veio do Vinícius Rocha.

E pensar que eu aprendi a digitar (datilografar, como se dizia antigamente) numa máquina dessas...

Você deixaria um manobrista bêbado dirigir seu carro?

Genial esta ação! Nota mil! Foi o Guilherme De Cara quem me enviou o link:

Memórias, memórias, memórias...

Certos sons, palavras, imagens e até cheiros têm o dom de despertar em mim a memória de coisas que vivi muito tempo atrás. Foi o que ocorreu quando li a crônica do Matthew Shirts, publicada no Caderno 2 do Estadão de hoje (25/04/2011).

Mateus - como Matthew prefere ser chamado - foi meu “chefe” quando comandava o saudoso caderno Negócios da Folha de S. Paulo, no final da década de 1980 ou início dos anos 1990. Aliás, foi uma grande mudança na imprensa brasileira quando o jornal passou a tratar de Economia e Negócios em cadernos separados. O primeiro, cheio de notícias ruins e entrevistas e análises agourentas. O segundo, só alegria, com as histórias de empreendedores que, contra todos os prognósticos, criavam negócios do zero e prosperavam. Como no título do livro da Endeavor, faziam negócios darem certo num país então muito incerto.

Negócios era, então, um caderno “de verdade” (e não um tablóide cheio de classificados, como é agora), que falava sobre iniciativas bem sucedidas, Empreendedorismo, inovação empresarial, coisas assim. Seu primeiro comandante foi o competente Nelson Blecher, que, coerentemente, depois passou pela Exame e, mais tarde, criou a revista Época Negócios, ainda hoje dirigida por ele.

Foi o Nelson quem me contratou - em 1988, se a memória não me trai - para escrever uma coluna semanal sobre Franchising. Naquela altura, um assunto desconhecido do grande público e mesmo da maioria dos executivos e empresários deste país. Eu vinha enviando a ele, sistematicamente, artigos que escrevia sobre o tema. E ele, de tempos em tempos, publicava um deles. Provavelmente por necessidade de preencher um espaço ainda vazio na hora de fechar o jornal. A frase que mais se ouvia na Folha, naquela época, era uma de autoria de Leão Serva: “Jornal bom é jornal pronto”. Até que um dia, cedendo aos meus argumentos, Nelson topou criar a tal coluna.

O plano era ampliar os horizontes dos integrantes da comunidade empresarial brasileira e, com isso, provocar uma revolução na forma como se faziam negócios por aqui. Tanto que meu primeiro livro, publicado também em 1988, se chamava “Franchising: uma Revolução no Marketing”.

Eu tinha liberdade para escrever o que quisesse sobre o que quisesse. Bastava que o tema fosse ligado a franquias e que eu observasse as regras do Manual de Redação e as normas da boa educação.

E foi o que fiz durante quase 12 anos, até que, um belo dia, num gesto de surpreendente falta de cortesia do comando do jornal, fui sumariamente “demitido” por telefone por um jovem jornalista de vinte e poucos anos, uma espécie de trainee ou algo assim, cujo nome não me recordo, que apenas me disse: “Não precisa mais enviar sua coluna, pois o jornal não tem mais interesse em publicá-la”.

Mas vamos voltar ao que interessa.

Um belo dia, Nelson entrou na sala do dono do jornal e se demitiu. Diz a lenda que a reunião seguinte do empresário era com um historiador americano, um “brazilianista”, casado com uma jornalista brasileira e que havia sido contratado para escrever um livro sobre a história da Folha e, para isso, vinha fazendo uma espécie de estágio por todas as seções daquele veículo, no intuito de conhecer melhor a cultura e ouvir dos protagonistas as histórias e anedotas vividas por quem trabalhava ali.

Esse historiador - você já deve ter adivinhado - era Matthew Shirts, que, meio sem saber como, nem porque, entrou naquela sala para falar do livro e saiu de lá com o cargo de Editor do Caderno Negócios.

E foi assim que vim a conhecer esse cara genial, que é, sem dúvida, o americano mais brasileiro que eu conheço. Ou talvez seja o brasileiro mais americano que conheço, sei lá. Não perco as histórias que ele conta no Estadão todas as segundas-feiras. Foi um prazer e uma honra trabalhar com ele durante o tempo em que orquestrou aquele caderno da Folha.

E hoje, ao ler a crônica na qual ele me cita e faz referência àquela coluna, essa história toda, de mais de 20 anos atrás, passou diante dos meus olhos em uma fração de segundo, como um filme em altíssima velocidade.

Uma coisa boa é saber que, tanto tempo depois, Matthew ainda se lembra de mim e do trabalho que fazíamos juntos. E, provavelmente, de uma forma positiva, ou não me citaria.

Eu, com certeza, tenho saudades daquele tempo. Não que queira voltar a ele. Estou bem melhor agora. Mas tenho boas recordações.

E é bom me dar conta de que, já naquela época, eu tinha a obsessão de ampliar horizontes - os meus e os de quem me cerca - e fazia planos e agia para mudar o mundo à minha volta. Exatamente como sigo fazendo até hoje.

Ou seja: mudei em muitas coisas - e não necessariamente para melhor em todas elas. Mas nisso continuo igual.

Não sei se isso é bom ou ruim, mas é assim.

24 de abr de 2011

Episódio 1 da série Os 7 Pecados Capitais do Franchising (a Ira)

Agora em HD (High Definition).Basta clicar aqui para assistir. Para a versão normal, clicar sobre a imagem no post anterior (abaixo).

19 de abr de 2011

Os 7 Pecados Capitais do Franchising - Episódio 1: Ira

Esta série, composta por 7 episódios (cada um tratando de um pecado), resultou de uma idéia de Pedro Mello, que também cuidou da Direção. Textos de Carolina França. Realização: Papaya Filmes. Apoios: HSM e ABF.

Quer mudar o Mundo?

Comece mudando a visão que você tem do Mundo, de você mesmo, de seu papel e dos impactos que uma ação sua pode provocar. Muitas vezes, a diferença entre o possível e o impossível, entre o positivo e o negativo, entre o problema e a oportunidade, é apenas uma questão de perspectiva. Como mostra este vídeo que o Simon Sinek postou hoje no Twitter:

6 de abr de 2011

Terremoto e tsunami - relato de Chieko Aoki (testemunha ocular)

Com a autorização da própria, transcrevo aqui, na íntegra, o comovente relato que minha amiga querida (e companheira de Academia Brasileira de Marketing) Chieko Aoki enviou de Tóquio, onde ela estava no momento em que ocorreram o terremoto e o tsunami que devastaram parte do Japão há algumas semanas - e onde permaneceu até poucos dias atrás, fazendo a sua parte para cooperar com os mais impactados pela catástrofe.

Confesso publicamente que ler o relato emocionado da normalmente contida Chieko me deixou com os olhos marejados. Não só pelas desgraças que ela relata, mas principalmente pelos atos de solidariedade e de espírito coletivo que testemunhou e compartilhou comigo e demais integrantes da Academia - e que agora compartilho com os leitores deste blog.

É um texto longo, mas vale a pena lê-lo até o final. Pode ser que você, assim como eu, conclua a leitura com motivos de sobra para acreditar que - apesar de todos os desastres naturais e não naturais e de todas as atrocidades que se cometem todos os dias - o Mundo e a humanidade têm salvação.

Relato do extremo Oriente – Chieko Aoki no Japão

"Quando o terremoto atingiu Tóquio no dia 11 de março às 14h48, eu estava em reunião no lobby de um hotel com mais de 500 apartamentos, a cerca de 10 minutos de carro da minha casa. Foram dois fortes impactos; depois do primeiro, fomos todos para fora do prédio, mas após alguns minutos de calma, voltamos. Foi somente tempo de, mais uma vez, a equipe do hotel nos direcionar novamente para fora do prédio, onde já havia muitos estrangeiros apavorados e japoneses tentando esconder o mesmo sentimento. Em minutos a cidade parou. Os carros pararam e as pessoas estavam nas ruas olhando para cima atentas para garantir que, de repente, conseguiriam desviar de uma parede em cima de sua cabeça, algo possível de acontecer.

Após um tremor como nunca tinha sido sentido, inclusive pelos japoneses acostumados a terremotos, nossa reunião foi postergada, com alguns deles preocupados com a volta para a cidade de origem, já que o trem-bala estaria parado e as ruas, cheias. Soube depois que conseguiram chegar após quase 6 horas, pegando o último táxi disponível no hotel. A última pessoa do nosso grupo a sair do hotel, por falta de transporte, teve que passar a noite na estação, passando frio, junto com uma centena de outras pessoas que não encontraram mais como retornar para casa. Felizmente tiveram ajuda do hotel da estação, que disponibilizou espaço de subsolo e cobertores.

O terremoto seguido de tsunami foi muito superior a qualquer possibilidade previamente calculada, com uma onda gigante de mais de 20 metros de altura invadindo o continente japonês por mais de 6 quilômetros, numa extensão litorânea de 500 km, com aniquilamento e devastação de uma cidade após a outra. Em algumas localidades, desapareceram prefeituras, prefeito e seus moradores, impossibilitando precisar o número de vítimas, pela destruição das informações.

O tsunami chegou a algumas cidades 30 minutos após o terremoto e os moradores tiveram tempo de correr para locais altos pré-estabelecidos e já conhecidos pelos treinamentos regulares. Entretanto, a água atingiu uma altura muito maior do que o previsto, com força brutal, levando junto os próprios refúgios, fato que foi testemunhado pelos poucos que milagrosamente se salvaram, agarrando qualquer coisa que puderam.

Como o mundo acompanhou pelos noticiários, a catástrofe deixou um saldo terrível – mais de 20 mil pessoas entre mortos e desaparecidos, destruição de cidades inteiras com suas estradas, casas, indústrias, lojas, campos, navios pesqueiros, prefeitura, hospital, escolas. Muito foi levado e não restou resquício algum de que um dia existiu algo ali. Em outras localidades, tudo precisa ser colocado abaixo para reconstrução. Além de causar devastação e infertilizar a terra por anos, um terremoto seguido por tsunami tem o agravante de levar vidas para o alto-mar, situação difícil de ser aceita pela religião e tradição japonesa.

Como se não bastasse, a usina nuclear de Fukushima foi seriamente danificada, com sério risco de virar catástrofe incontrolável. Além disso, a temperatura começou a baixar, a neve voltou a cair e, na semana do terremoto, o país passou a registrar sismos contíguos 4 ou 5 vezes ao dia. A frequência diminuiu com o passar do tempo, mas até agora, 13 dias depois do grande terremoto, continuamos sentindo tremores intermitentes.

O grande impacto do primeiro momento do terremoto é o mexe-mexe de objetos que parecem voar para a sua direção e, no segundo seguinte, sentir que você está completamente isolada do mundo, porque os telefones param de operar por excesso de uso. Imediatamente pensa-se na família e a apreensão de não saber o que está acontecendo com eles – e não saber como e o que fazer para chegar até eles. Surge uma força não se sabe de onde que, como dizem, demove montanhas. Pelos depoimentos das vítimas, muita gente conseguiu salvar-se pensando em salvar família e amigos; outros infelizmente não tiveram tempo de se salvar juntos, tendo sido tragados pelas águas a caminho de buscar filhos e pais...

Mas, ao lado de acontecimentos dolorosos, testemunhamos também cenas de heroísmo, como a professora de escola infantil que segurou nos braços, com dificuldade, duas criancinhas da escola, e agarrou-se à cortina, tentando manter-se fora d’água, porque não podia desistir enquanto não entregasse as crianças sob sua guarda para as mães.

O mundo todo acompanhou as cenas de destruição e o comportamento das vítimas diante da catástrofe. É isso que desejo compartilhar – como uma situação tão grave pode ser também repleta de amor e de esperança – e de grande aprendizado pessoal e profissional. Muito aprendizado sem limites e surpreendentes passados também por crianças, idosos, deficientes físicos – aqueles quem sempre acreditamos que devem ser apenas ajudados. Puro engano: descobri que todo ser humano é capaz de ser útil e importante, se lhe é dada força e confiança.

As pessoas que conseguiram se salvar foram acolhidas, na sua grande maioria, em escolas, prefeituras e hospitais. É dessa maneira, muitas vezes somente com a roupa do corpo, sem combustível para aquecer do frio, sem energia elétrica, comida e água e também sem notícias dos filhos, pais e parentes, que as vítimas dão exemplos de dignidade, força de grupo e de solidariedade. Pelo isolamento gerado devido à destruição das estradas por cerca de uma semana, o que impossibilitou chegar, em quantidade suficiente, até mesmo artigos emergenciais como água, combustível para aquecimento, cobertor, comida, meios de comunicação, as pessoas tiveram que contar somente com elas mesmas. Devido a tremores contínuos, eram impossibilitadas de aquecimento alternativo como fogueira. Começaram iniciativas de mutirão de solidariedade e de ajuda mútua, pelas próprias vítimas, nos abrigos, para sobreviverem todos, juntos. No início, dividiam cobertores e água, juntavam-se para se aquecer. Inclusive, uma senhora com pressão alta faleceu porque, mesmo devendo beber bastante água, recusava receber mais do que outros.

Era emocionante ver aquelas pessoas, naquelas condições tão precárias, mais preocupadas em confortar e ajudar ao próximo, como o médico que tinha sido salvo pela equipe de resgate e, chegando ao abrigo viu tantas pessoas precisando de cuidados médicos, que começou a ajudar, apesar de não ter notícias da esposa e filhos. Enquanto isso, uma outra pessoa saía à procura da família do médico nos outros abrigos ou verificava a lista de vítimas feitas por cada abrigo. Donos de indústrias e lojas saíam à procura de seus funcionários porque, no Japão, colaborador e empresa são uma família. Pessoas formavam longos mutirões com adultos, crianças, idosos e todos que podiam ajudar, para transportar água para reservatórios provisórios feitos para abastecer os banheiros, porque, para os japoneses, limpeza do banheiro é até sagrada.

É admirável a organização, disciplina e espírito de grupo – mulheres e jovens anotavam nomes das pessoas desaparecidas e homens saíam à procura delas e de enlatados comíveis; ajudavam também os idosos e os feridos. Como citado acima, jovens, crianças, todos contribuem de forma impressionante. Adolescentes de 12 a 13 anos cozinham e distribuem comida, outros meninos e meninas de 6 a 8 anos começaram a se reunir por iniciativa própria para diversas ações: uns formaram equipe de massagem dos idosos; outros elaboravam questionários para identificar o que cada vítima estava precisando; outros eram grupos de canto para alegrar o ambiente.

Um adolescente, de 15 anos, que tinha fugido direto da escola com os professores e colegas e não mais encontrou os pais, escreveu faixa com mensagem positiva para manter boa energia no ambiente. Os idosos brincam com bebês e crianças pequenas enquanto as mães ajudam em outras tarefas. Os adolescentes ensinam jogos para crianças e os idosos, para os adolescentes e sua alegria e risada traz conforto e esperança para todos dos abrigos. A ajuda é impressionante em um mutirão de solidariedade, com as pessoas dizendo que eles próprios deviam primeiro se ajudar, que deviam estar à frente da recuperação, sendo a solução para as dificuldades, porque sabiam o que e como deveriam ser as ações para sair da situação – falando, ouvindo, pensando, encorajando, juntando-se para definir ações prioritárias para o grupo.

Hoje, todos compartilham dores a cada corpo encontrado, a alegria ao encontrar quem achava que tinha sido levado pelas águas, ou ao se deparar com foto ou altar dos membros da família. Nestas comunidades, apesar da destruição total, as palavras que mais se ouve das vítimas são “gaman suru” – vou aguentar, suportar, ter paciência, resistir; “gambaru” – vou superar as dificuldades, vou me empenhar, farei o meu melhor; “kansha shimasu” – sou grato, gratidão, reconhecimento; “tasukeau” – ajudar mutuamente, cooperar, contribuir. Chora-se pelas perdas e também com gestos de ajuda e de conforto. TVs recebem e-mails e fax (há muita dificuldade de comunicação) das pessoas nos abrigos e divulgam na TV com pedidos de contato, de alimentos e combustíveis para pequenos grupos perdidos – e ajudam a buscar soluções.

Neste ambiente, o papel dos líderes naturais que foram ajudando na coordenação – sejam prefeitos, professores ou quem fosse escolhido – foi fundamental para identificar e organizar os pedidos, manter relatório diário da situação, da realidade de cada um dos abrigados e suas famílias, o que precisavam ou tinham perdido, enfim são verdadeiros responsáveis para manter o espírito vivo e bem de grandes e pequenos abrigos que se formaram e para organizar as ajudas vindas do próprio Japão e de outros países.

Estes gestos das vítimas contaminou todo o Japão, com ações de solidariedade de iniciativa de esportistas, lutadores de sumô, atores e atrizes e diferentes tipos de grupos sociais que coletavam doações nas estações de trem ou carregando caixas de doações na porta do estádio; fizeram chegar tudo que precisavam assim que as estradas e combustíveis permitiram. Associações de remédios enviavam medicamentos e materiais hospitalares; associação de roupas e sapatos enviavam roupas novas separadas por sexo, tamanho, tipo; indústrias de produtos de higiene enviavam doações de acordo com as necessidades solicitadas pelos abrigos. Empresários e personalidades faziam doações em dinheiro da ordem de US$ 10 milhões, como o dono da Uniqlo que, além de ajuda monetária fez US$ 7,5 milhões em roupas. Esta forma de doação organizada ajudava na identificação dos produtos, evitando necessidade de grande número de voluntários para separar e distribuir. Os organizadores solicitam que o envio de doações individuais de produtos seja restrito, pela dificuldade de controle e de entrega, substituindo por doações em dinheiro.

Impressionante também a velocidade com que empresas como Panasonic, Sony, Honda e outras adaptaram aquecedores a combustível a uso sem energia e combustível e entregaram para os abrigos, diante da dificuldade de fazer chegar a energia e combustível às cidades onde o frio aperta, colocando ainda mais à prova aquelas vítimas, que passaram a ser aquecidas com solidariedade inteligente destas e outras tantas empresas. Entre elas, a fábrica de alimentos prontos que trabalha 24 horas para distribuir gratuitamente bolinho de arroz e outras comidas práticas, montando logística própria de entrega com bicicletas e meios possíveis. Adolescentes fazem escalda-pés e massagem para os idosos; hotéis contratam ônibus e convidam vítimas para tomar banho no spa e descansar e comer comida quente no hotel; médicos de outras partes do Japão fecham temporariamente suas clínicas para ajudar as vítimas; voluntários de outras cidades se organizam para dar aula, cozinhar, cantar e tocar instrumento com adolescentes porque com eles e crianças alegres, todos os adultos alimentam esperança pela reconstrução. É um círculo e corrente de solidariedade para manter o ânimo, força, alegria e espírito de gratidão.

Outro exemplo admirável é o caso do Prince Hotel, em Tóquio. Com 700 apartamentos, estava previsto para fechar em abril. Hoje (24/03/2011) foi noticiado que o proprietário decidiu postergar até final de junho o fechamento do hotel, para ser usado pelas vítimas como alojamento. Não funcionará com serviço de hotel, mas o prédio e suas facilidades podem ser um excelente local para as vítimas se instalarem. O governo está construindo casas provisórias a toque de caixa, devendo entregar as primeiras 500 casas-alojamento, com quarto e cozinha, até o final do mês.

A vida continua muito difícil para as vítimas que estão nos hospitais, abrigos, em vida comunitária, mas o exemplo destas pessoas que não reclamam, mantém energia positiva, alimentam força e esperança de que conseguirão reconstruir a vida tem acordado os sentimentos tradicionais japoneses, contaminando de forma muito positiva os corações, gerando forte sentimento de amor e de ajuda ao próximo, de agradecimento e de força que faz pensar como estas pessoas, tão fragilizadas, mas tão fortes, estão unindo outras pessoas e fazendo renascer a tradição japonesa que os japoneses queriam despertar, mas não sabiam como fazer. E conseguiram: o lema agora no Japão é “Gambare Nippon”: “Força, Japão, fazendo juntos, formamos uma grande força”.

A nova pancada é a radiação da usina nuclear atingida pelo terremoto. Desde o terremoto, o possível tem sido feito para resfriar e consertar as torres das usinas, com explicação diária e contínua sobre a situação. Para gastar menos energia, Tóquio e varias cidades estão sob apagão programado de três horas por dia, que tem afetado a movimentação das pessoas para o trabalho pela falta de meios de transporte, a produção nas grandes indústrias, o consumo nas lojas com impacto negativo na economia. No entanto, por enquanto, o sentimento de colaboração está forte, sem comentários negativos aos sacrifícios exigidos das pessoas e empresas dependentes da energia da usina afetada.

As últimas notícias da semana é que encontraram contaminação no mar próximo da região atingida e também em algumas verduras. Hoje foi em água da região. Apesar de ser em nível não prejudicial à saúde, por precaução o governo proibiu a venda de algumas verduras produzidas de certas regiões onde se detectou algum nível de contaminação, bem como proibiu uso de água de torneira para fazer leite para bebês de até um ano, fazendo, com isso, desaparecer as garrafas minerais das prateleiras dos supermercados.

O governo e a empresa de energia estão correndo contra o tempo para evitar catástrofe que, em caso de energia nuclear, não se pode descartar. Estando no Japão, a percepção é de que o progresso é gradual e positivo, que os riscos estão sendo controlados e que o país inteiro começa a enxergar uma luz de solução estável. Novas e pequenas melhorias nas usinas são anunciadas, paralelamente ao anúncio de radiação que, ao longo deste período, foi aos poucos atingindo algumas regiões e produtos.

Os aprendizados são diários e não me canso de me surpreender. Em locais com mais adultos e idosos, por exemplo, o exército está construindo ofurô (a banheira tradicional japonesa) para homens e mulheres, porque o costume a esta prática que é o que lhes dá maior conforto.

Passada a fase de distribuição maciça de produtos emergenciais como cobertor, combustível, roupas quentes, fraldas e principalmente água e comida, as necessidades mudam. Assim, cada um dos abrigos coleta de cada uma das vítimas o que mais precisam – de bebês a idosos – analisam e fazem lista única com cerca de 15 itens que são enviados para centrais de distribuição de doações. Ou seja, cada abrigo, dependendo da localização, próxima a algum centro fornecedor ou isolada de tudo, tem uma necessidade diferente. Há abrigo que precisa, por exemplo, de secador de cabelo, porque é frio e tomar banho e não secar o cabelo tem levado muitas mulheres a se resfriarem. E, pedem secador potente e com economizador de energia, para pode secar rápido para muita gente poder usar.

Chegam doações dos mais diversos tipos, de brinquedos a bolsinhas para maquiagem, acessórios, comida e bebida em vidros, louças etc. Cada caixa é separada minuciosamente pelos voluntários. Comida em vidro não pode ser enviada para evitar risco de quebra no transporte ou machucar nos abrigos ao quebrar ou com novo terremoto; ao invés de louças, somente descartáveis e plásticos para igualmente evitar acidentes; tênis são separados por tamanho e sexo e enviados de acordo com os pedidos para não inutilizar a boa-vontade dos doadores; como característica do povo japonês, não se dá roupas de baixo para outros; desta forma, sites e campanhas fazem pedidos para ficarem à vontade para enviar porque as vitimas estão precisando. Por outro lado, informam que cobertores e roupas de determinados tipos já foram coletados em número suficiente. Pedem para restringir brinquedos, mas precisam de produtos e objetos educativos para bebês e crianças que ficam escrevendo, desenhando, fazendo dobraduras e atividades afins.

As vítimas somente pegam doações que estão precisando mesmo porque, pela cultura japonesa, é de certa forma vergonhoso precisar de ajuda a ponto de receber objetos, assim como não há como guardar, cuidar ou mesmo usar. Por isso, as chamadas dos abrigos com lista das necessidades restringem-se a produtos de real necessidade.

Os produtos são classificados e colocados em caixas, algumas delas com desenho do tipo do produto para facilitar a identificação, assim como mensagens de incentivo e de conforto para alegrar quem vai receber. Ou seja, não se faz apenas o bem, mas de uma forma a exceder as expectativas.

O que tem ajudado muito é a experiência anterior, do terremoto de Kobe, de cerca de 16 anos atrás. Depois disso, ao longo dos anos, dados de pessoas que sofreram terremoto têm sido coletados. A experiência dá velocidade e foco no atendimento. Por causa do grande potencial de perigo da radiação nuclear, é preciso correr contra o tempo, inclusive para ajudar os desabrigados, os doentes e os agricultores e pescadores que tiveram seus produtos completamente inutilizados pelas radiações.

Todos têm demonstrado que agora é hora de se concentrar, todos juntos, na recuperação e salto na economia e na força do povo japonês.

O corpo aguenta, mas o espírito precisa ser continuamente alimentado e, para isso, é fundamental para todos, principalmente as vítimas, ver velocidade nas ações de recuperação, para poderem começar a reconstrução de suas vidas com esperança e fé. O tempo é curto para cuidar do coração fragilizado das vítimas. Que Deus continue lhes passando força e também para as pessoas que estão ajudando, para que o espírito de solidariedade seja contínuo e fique para sempre, forte, nos japoneses e nas pessoas do mundo todo. A ajuda humanitária e técnica dos países e de pessoas de diferentes países ao redor do planeta tem tocado profundamente, com sentimento de gratidão, a todos os japoneses – vítimas ou não – que sentem concretamente que não estão sozinhos, que o mundo todo está sofrendo junto e caminhando com os japoneses para o fortalecimento da fé, da esperança e da vida dos japoneses e do Japão."

15 de mar de 2011

Faça o download gratuito de e-book com dicas práticas para quem pensa em investir numa franquia

Basta clicar aqui e se cadastrar para fazer o download totalmente gratuito do e-book que acabei de lançar, com um passo-a-passo para quem pensa em investir numa franquia.

24 de fev de 2011

Black swan (Brazilian version) / O Cisne Negro, numa versão brasileira

Impressionante o que esse jovem de origem humilde dança. Pena que a jurada loira seja tão cretina.

21 de fev de 2011

Como inspirar pessoas a agir

Os grandes líderes começam pelo Porquê, como mostra Simon Sinek neste vídeo (que tem legendas em Português disponíveis no botão view subtitles:

31 de jan de 2011

Livros para quem pensa em empreender

Clique aqui para ler matéria publicada no Diário do Comércio sobre alguns dos livros que todo candidato a empreendedor deveria ler.

Oportunidade na adversidade

Palestra imperdível da recordista nas Para-Olimpíadas de 1996, modelo e atriz Aimee Mullins sobre "Oportunidade na Adversidade". Muito inspiradora mesmo. A mulher é o máximo! Legendas em Português disponíveis clicando no botão "Subtitles Available".

5 de jan de 2011

Será que adquirir uma franquia é melhor alternativa para você?

Não há dúvida de que adquirir uma franquia é uma das alternativas mais seguras para quem pretende se tornar dono de um negócio. Trata-se da forma ideal de combinar o capital, a garra e os relacionamentos locais de um empreendedor com a experiência, a marca e o acesso a recursos do franqueador. Não é à toa que o Franchising vem crescendo, no Brasil e em outros países, a taxas bem mais expressivas do que a economia como um todo. E gerando negócios mais perenes do que os empreendimentos independentes (não-franquias).

Nos EUA, onde há uma abundância de estatísticas confiáveis, ocorre apenas uma falência de franquia para cada 40 falências de negócios independentes. Lá, 92% das franquias completam 5 anos de vida, contra apenas 23% dos negócios não-franquias. E, embora as franquias representem apenas 3% das empresas em funcionamento naquele país, 40% das vendas do Varejo (de Produtos e Serviços) são feitas por estabelecimentos franqueados.

Esses números dizem tudo, mas... Sempre tem um “mas...”, não é mesmo? Basta algo parecer bom demais e lá vem um “mas...”. Infelizmente é assim. Investir numa franquia é um excelente negócio... mas não é para qualquer um. E não se trata apenas de ter, ou não, dinheiro suficiente para o investimento. Dinheiro é fundamental, mas é apenas um dos ingredientes necessários para que alguém tenha sucesso como franqueado. Inclusive há casos em que o investimento pode ser bastante reduzido e, ainda assim, não ser para o bico de certas pessoas.

Sim, há uns tantos requisitos essenciais para que alguém se dê bem como dono, operador e gestor da franquia, além de ter a grana suficiente para o investimento inicial e o capital de giro. Os mais relevantes são:

1- Gostar de - e ter habilidade para - lidar com gente. Ter aquilo que os gringos chamam de “people skills”. Boa parte do dia a dia de um franqueado envolve interações com outras pessoas: fornecedores, clientes, funcionários e outros colaboradores, membros da equipe da empresa franqueadora e assim por diante. O papel do dono de qualquer negócio (incluindo uma franquia) inclui motivar, inspirar, persuadir, aconselhar, ouvir, liderar e negociar com pessoas. Cada grupo a seu modo, de acordo com suas necessidades e situação. E isso não é algo que se possa fazer uma vez ou outra – é tarefa de tempo integral. Está incluído no preço de ser dono de seu próprio negócio.

Se você não é bom nisso, trate de desenvolver essas capacidades. Dizem os chineses que “quem não sabe sorrir não deve ter uma loja”. Se você não é bom para lidar com gente, mexa-se e trabalhe isso muito bem trabalhado. Cursos de Oratória, de Liderança e até de teatro podem ajudar. Em alguns casos, uma terapia ou algumas seções de Coaching podem ser o caminho, se o problema estiver ligado à sua auto-estima. Se você não tem essas habilidades e não quer - ou não sabe como - melhorar seu desempenho nesse quesito, talvez ser dono de um negócio próprio não seja para você.

2- Ser, ao mesmo tempo, (a) um empreendedor determinado e ousado o suficiente para tomar as decisões e correr os riscos que são inevitáveis na resolução dos problemas que surgirão todos os dias e (b) disciplinado, humilde e flexível para seguir regras impostas pelo franqueador e aceitar as orientações que vierem da equipe deste. Não é fácil manter esse equilíbrio. É algo que precisa ser trabalhado conscientemente, sem nunca perder de vista o objetivo maior, que é o de assegurar que seu investimento retorne e seu empreendimento se valorize. Lembre-se de que as franquias têm uma chance de sucesso muito maior do que os negócios independentes precisamente porque os franqueados observam regras e padrões previamente testados e obedecem a todo um sistema definido pelo franqueador. Se você é daqueles interessados em “reinventar a roda” e “fazer as coisas do seu próprio jeito”, é quase certo que se frustará como franqueado. E será uma pedra no sapato de seu franqueador.

3- Ter alguma experiência na gestão de um negócio ou de uma área ou departamento. Ou, ao menos, muita facilidade para aprender isso rapidamente. Ter uma visão geral - e, se possível, prática - de como um negócio funciona, de quais são as variáveis que realmente impactam o resultado e do que é prioritário amplia muito suas chances de obter sucesso. Não é necessário ser um matemático ou um financista, mas um mínimo de habilidade com números conta pontos a seu favor. Houve uma época, não faz muito tempo, em que bastava entender do negócio para ganhar dinheiro. Se alguém sabia comprar bem e vender bem, estava feito. Hoje, além disso, é vital entender da gestão do negócio. E gerir implica em compreender relatórios gerenciais, indicadores e índices de performance e tomar as decisões corretas com base no que eles mostram. Como diz o velho ditado, “quem não mede, não gerencia”. Se você não tem essa experiência, ou se sente inseguro com relação a sua habilidade quanto a isso, um bom curso de gestão de pequenos negócios pode ajudar. Não é sem motivo que cada vez mais franqueadores vêm buscando formas de aprimorar aqueles que já são seus franqueados com relação a isso. Afinal, muita gente que já é dona de negócio (franquia, ou não) é capenga no que se refere a gestão. Mas, felizmente, nunca é tarde para se aprimorar.

E tem mais: mesmo que você reúna todas essas características e tenha o perfil ideal para ser um franqueado, ainda há uma série de passos a percorrer. Sim, além do perfil, é preciso saber escolher a franquia certa para você. A franquia que é adequada para João pode ser não ser a ideal para José, ainda que ambos reúnam todas as qualidades enumeradas acima. Mas isso é tema para explorarmos em outros posts, em outras ocasiões.

4 de jan de 2011

Para vc, que vai à NRF-2011: dicas para aproveitar Nova York

Lembre-se de que Nova York é bem mais que a NRF. Você estará na capital cultural do planeta. Portanto, aproveite para fazer outras coisas, além de visitar lojas, fazer compras, visitar a feira e assistir a palestras.

Para quem gosta de Edward Hopper (meu pintor americano favorito), há uma exposição que me parece bastante interessante no Whitney Museum of American Art. Um museuzinho bacana e acolhedor. Se for lá, aproveite para ver também os móbiles do Calder. Especialmente o Circus, que é o máximo.

O MoMA – Museum of Modern Art e o Guggenheim sempre valem a visita. Inclusive pela arquitetura dos prédios onde estão instalados. No MoMA, recomendo não deixar de visitar a seção de Design.

O Metropolitan Museum, ou MET, como é mais conhecido, é o máximo. Mas lembre-se de que, como é imenso, visitá-lo demanda tempo. Nem pense em ver tudo num dia só. Quando vou lá, costumo escolher no máximo 2 ou 3 seções e investir pelo menos 2 ou 3 horas nelas.

O Planetário Hayden, do Museu Nacional de História Natural é fantástico. Para quem gosta desse tipo de coisa, é claro. O próprio museu também é muito interessante. Mas, pelo tamanho do acervo, visitá-lo toma um bom tempo.

Neste site você encontra uma lista da maioria dos shows e musicais que acontecem neste momento em Nova York. Se pretender assistir a algum deles, é melhor comprar os ingressos já. Ou assim que chegar lá. Os bons sempre lotam com muita antecedência. Se bem que lá, como aqui, há cambistas bastante eficientes. Mas paga-se o preço dessa eficiência...

Restaurantes e lanchonetes, há para todos os bolsos e paladares. E esse papo de que nos EUA se come mal é conversa de quem não sabe escolher onde ir.

Um toque: a gorjeta em Nova York é mais alta do que no Brasil. Normalmente, é de 15%. E já há restaurantes que incluem até 20% na conta. Porém, de forma geral, não está incluída na nota. E deve ser adicionada por você (que pode, inclusive, adicioná-la à mão no boleto do cartão de crédito, antes de assiná-lo e entregá-lo ao garçon). Para calcular os 15%, uso um método simples: multiplico por 2 a taxa (imposto sobre vendas) que vem destacada na nota (que, em NY, é de 8%) e dou uma arredondada.

Se pegar um táxi, dê uma gorjetinha também. É de praxe. Não precisa ser muita coisa. Arredondar a conta, acrescentando 50 cents, 75 cents, um dólar ou algo assim, é “de bom tom”.

Compras: Nova York é o paraíso do consumo. Tem de tudo, para todos os bolsos e gostos. A gente precisa se cuidar para não se empolgar. E para não ser ludibriado. Se alguma oferta parecer boa demais para ser verdade, provavelmente é mesmo. Procure comprar em lojas conhecidas, de marca, confiáveis.

Se pensar em comprar algum equipamento eletrônico, câmera, ou algo assim, nem pense em entrar nas lojinhas boca de porco que há por toda parte. Vá direto à B&H, uma loja de judeus hassidi (que, por isso mesmo, não funciona do final da tarde 6ª-feira até a noite do sábado... mas abre no domingo). Ali vc encontra preços baixos e - raridade das raridades - vendedores que realmente entendem do que vendem, dão bons conselhos e, muitas vezes, deixam de lhe vender um produto mais caro por estarem convencidos de que vc não precisa dele e que um mais barato atende às suas necessidades. Já aconteceu comigo e com pessoas que conheço. E não é pegadinha, não...

Mesmo que não vá comprar nada do gênero, vale a pena visitar a B&H para conhecer o sistema de esteiras rolantes que levam os produtos para cima e para baixo (do estoque ao balcão e do balcão ao Caixa). É muito interessante.

Se vc gosta de correr, há bons circuitos no Central Park. Mas se agasalhe bem, que a previsão para os dias de NRF-2011 é de temperaturas entre Menos 4º e Mais 4º. Bem razoável para essa época do ano... mas bem mais frio do que na maior parte do Brasil.

Uma boa notícia: não há previsão de nevascas fortes durante esses dias. Nem de chuva pesada. Só um pouquinho de neve aqui e ali, bem de leve. E sol a maior parte do tempo. Aliás, quando olhar pela janela do seu quarto, com o aquecimento ligado e coisa e tal, não se deixe iludir. A probabilidade é de lá fora estar frio paca.

Fundamental: vá preparado(a) para que esse frio não impeça você de aproveitar ao máximo essa cidade fantástica que é Nova York.

Leve um sobretudo ou casaco quente, que possa vestir por cima das outras roupas. E que seja fácil de tirar e vestir. Os novaiorquinos adoram um ar-condicionado e uma calefação a mil. No verão, quando na rua a temperatura pode passar de 40 graus Celsius, dentro das lojas a gente congela. E agora, no inverno, esteja preparado(a) para temperaturas um pouco abaixo ou um pouco acima de zero nas ruas e de 27 ou 30 graus Celsius no interior dos edifícios. Portanto, não é uma boa idéia vestir roupas quentíssimas que vc não consiga tirar e voltar a vestir facilmente.

Um cachecol de lã, luvas quentes e sapatos ou botas com sola de borracha também são uma boa pedida. No caso dos sapatos, primeiro por isolarem melhor os pés do frio que vem da calçada (que, muitas vezes, estará mais fria que o interior de seu congelador). E depois porque, no caso de nevar enquanto estiver lá (e a previsão é de termos um pouquinho de neve no período da NRF), ajudam a reduzir o risco de escorregões quando a neve se transformar em gelo. E de encharcar os pés, quando o gelo derreter e se transformar numa água lamacenta.

Se vc toma algum tipo de remédio que exija receita, leve-o com você. Comprar remédios sem receita lá é praticamente impossível.

Por último, esteja atento(a) para o fato de que, embora Nova York seja, atualmente, bem mais segura do que São Paulo ou o Rio, é uma grande metrópole. Com os problemas que qualquer grande metrópole enfrenta.

Portanto, não precisa se estressar... mas também não vacile. Como se diz na minha terra (a aprazível Santos), “siri que bóia, a onda leva”...

O segredo do sucesso

Este ano, a Convenção Anual da National Retail Federation, a 100ª da história da entidade, estará lotada de atrações, incluindo um pavilhão inteiro dedicado ao Visual Merchandising e outro à Sinalização de Pontos de Venda. Sem falar na quantidade imensa de hardwares e softwares destinados a propiciar experiências de consumo mais agradáveis e a abastecer o gestor do ponto de venda com informações detalhadas sobre cada aspecto do negócio.

Temos, você, eu, e todos os demais que forem a esse evento, pleno direito de nos maravilharmos com o que veremos lá. Contudo, não nos deixemos ofuscar pelo brilho excessivo de certos aparatos e/ou pelo palavreado empolado dos promotores desses apetrechos. É crucial que nos mantenhamos atentos ao fato de que toda a parafernália que veremos é mero ferramental. Utilíssimo, em muitos casos. Mas incapaz de substituir a inteligência, a sensibilidade, a capacidade de análise e a coragem para tomar a decisão certa, no momento certo, pelos motivos certos, que devem caracterizar os bons gestores... inclusive varejistas.

Olhe em volta e você vai constatar que nenhum negócio deve seu sucesso à Tecnologia acima de tudo. Nem mesmo os negócios cujo produto é Tecnologia. O que importa é gente. E Gestão... que depende de gente.

O sucesso em qualquer negócio de qualquer ramo ainda continua dependendo da capacidade das pessoas responsáveis pela tomada de decisões de captar, compreender e atender as necessidades, expressas ou implícitas, reais ou meramente percebidas, de seu público-alvo. Mudando rapidamente o que for preciso, à medida que essas necessidades mudam. Agindo para tornar a marca, a empresa e seus produtos relevantes para o cliente. Servindo a este o que ele quer comprar, do jeito como quer comprar, pelo preço que está disposto a pagar. Lembrando que o cliente sempre comprará pelas razões dele, nunca pelas nossas...

E mesmo isso não basta: é preciso fazê-lo dentro de uma equação financeira que garanta que - ao menos no médio e longo prazos - entre no Caixa da empresa mais grana do que sai. Ou saia menos grana do que entra. Continuamente. Dia após dia, mês após mês, ano após ano. Do contrário, o negócio quebra. Salvo no caso de certas estatais e organizações assemelhadas, que sobrevivem graças aos bons ofícios de governos generosos, não há negócio que resista por um longo período a um fluxo de caixa negativo.

Portanto, proponho que, durante todo o tempo em que estivermos em Nova York, nos maravilhemos com todas as novidades que veremos por lá. Muitas adaptáveis ao Brasil e a negócios de vários tamanhos. Outras, nem tanto.

Mas em momento nenhum vamos perder a noção de que, quanto mais as coisas mudam, mais sua essência permanece a mesma.

3 de jan de 2011

2 de jan de 2011

Se você quiser acompanhar...

... o que acontece em Nova York durante a 100ª Convenção Anual da NRF - National Retail Federation, o maior evento de Varejo do mundo, a partir do próximo sábado, dia 8 de janeiro, basta me seguir no Twitter: www.twitter.com/MarceloCherto .