5 de jan de 2011

Será que adquirir uma franquia é melhor alternativa para você?

Não há dúvida de que adquirir uma franquia é uma das alternativas mais seguras para quem pretende se tornar dono de um negócio. Trata-se da forma ideal de combinar o capital, a garra e os relacionamentos locais de um empreendedor com a experiência, a marca e o acesso a recursos do franqueador. Não é à toa que o Franchising vem crescendo, no Brasil e em outros países, a taxas bem mais expressivas do que a economia como um todo. E gerando negócios mais perenes do que os empreendimentos independentes (não-franquias).

Nos EUA, onde há uma abundância de estatísticas confiáveis, ocorre apenas uma falência de franquia para cada 40 falências de negócios independentes. Lá, 92% das franquias completam 5 anos de vida, contra apenas 23% dos negócios não-franquias. E, embora as franquias representem apenas 3% das empresas em funcionamento naquele país, 40% das vendas do Varejo (de Produtos e Serviços) são feitas por estabelecimentos franqueados.

Esses números dizem tudo, mas... Sempre tem um “mas...”, não é mesmo? Basta algo parecer bom demais e lá vem um “mas...”. Infelizmente é assim. Investir numa franquia é um excelente negócio... mas não é para qualquer um. E não se trata apenas de ter, ou não, dinheiro suficiente para o investimento. Dinheiro é fundamental, mas é apenas um dos ingredientes necessários para que alguém tenha sucesso como franqueado. Inclusive há casos em que o investimento pode ser bastante reduzido e, ainda assim, não ser para o bico de certas pessoas.

Sim, há uns tantos requisitos essenciais para que alguém se dê bem como dono, operador e gestor da franquia, além de ter a grana suficiente para o investimento inicial e o capital de giro. Os mais relevantes são:

1- Gostar de - e ter habilidade para - lidar com gente. Ter aquilo que os gringos chamam de “people skills”. Boa parte do dia a dia de um franqueado envolve interações com outras pessoas: fornecedores, clientes, funcionários e outros colaboradores, membros da equipe da empresa franqueadora e assim por diante. O papel do dono de qualquer negócio (incluindo uma franquia) inclui motivar, inspirar, persuadir, aconselhar, ouvir, liderar e negociar com pessoas. Cada grupo a seu modo, de acordo com suas necessidades e situação. E isso não é algo que se possa fazer uma vez ou outra – é tarefa de tempo integral. Está incluído no preço de ser dono de seu próprio negócio.

Se você não é bom nisso, trate de desenvolver essas capacidades. Dizem os chineses que “quem não sabe sorrir não deve ter uma loja”. Se você não é bom para lidar com gente, mexa-se e trabalhe isso muito bem trabalhado. Cursos de Oratória, de Liderança e até de teatro podem ajudar. Em alguns casos, uma terapia ou algumas seções de Coaching podem ser o caminho, se o problema estiver ligado à sua auto-estima. Se você não tem essas habilidades e não quer - ou não sabe como - melhorar seu desempenho nesse quesito, talvez ser dono de um negócio próprio não seja para você.

2- Ser, ao mesmo tempo, (a) um empreendedor determinado e ousado o suficiente para tomar as decisões e correr os riscos que são inevitáveis na resolução dos problemas que surgirão todos os dias e (b) disciplinado, humilde e flexível para seguir regras impostas pelo franqueador e aceitar as orientações que vierem da equipe deste. Não é fácil manter esse equilíbrio. É algo que precisa ser trabalhado conscientemente, sem nunca perder de vista o objetivo maior, que é o de assegurar que seu investimento retorne e seu empreendimento se valorize. Lembre-se de que as franquias têm uma chance de sucesso muito maior do que os negócios independentes precisamente porque os franqueados observam regras e padrões previamente testados e obedecem a todo um sistema definido pelo franqueador. Se você é daqueles interessados em “reinventar a roda” e “fazer as coisas do seu próprio jeito”, é quase certo que se frustará como franqueado. E será uma pedra no sapato de seu franqueador.

3- Ter alguma experiência na gestão de um negócio ou de uma área ou departamento. Ou, ao menos, muita facilidade para aprender isso rapidamente. Ter uma visão geral - e, se possível, prática - de como um negócio funciona, de quais são as variáveis que realmente impactam o resultado e do que é prioritário amplia muito suas chances de obter sucesso. Não é necessário ser um matemático ou um financista, mas um mínimo de habilidade com números conta pontos a seu favor. Houve uma época, não faz muito tempo, em que bastava entender do negócio para ganhar dinheiro. Se alguém sabia comprar bem e vender bem, estava feito. Hoje, além disso, é vital entender da gestão do negócio. E gerir implica em compreender relatórios gerenciais, indicadores e índices de performance e tomar as decisões corretas com base no que eles mostram. Como diz o velho ditado, “quem não mede, não gerencia”. Se você não tem essa experiência, ou se sente inseguro com relação a sua habilidade quanto a isso, um bom curso de gestão de pequenos negócios pode ajudar. Não é sem motivo que cada vez mais franqueadores vêm buscando formas de aprimorar aqueles que já são seus franqueados com relação a isso. Afinal, muita gente que já é dona de negócio (franquia, ou não) é capenga no que se refere a gestão. Mas, felizmente, nunca é tarde para se aprimorar.

E tem mais: mesmo que você reúna todas essas características e tenha o perfil ideal para ser um franqueado, ainda há uma série de passos a percorrer. Sim, além do perfil, é preciso saber escolher a franquia certa para você. A franquia que é adequada para João pode ser não ser a ideal para José, ainda que ambos reúnam todas as qualidades enumeradas acima. Mas isso é tema para explorarmos em outros posts, em outras ocasiões.