3 de ago de 2009

Estou cheio dos politicamente corretos!

Aqui vai mais um bom texto do meu amigo (e parceiro em vários projetos) Clemente Nobrega, publicado no seu blog (que, se v. não lê, deveria passar a ler):

Este blog é a favor de políticas que busquem um “campo de jogo nivelado” para todos. Igualdade de oportunidades, não de “representação”. Há um mundo de diferenças entre essas duas coisas. Vou explicar.

Se alguém não tem chance de ser selecionado para entrar num jogo (por sua história, herança e condições), sou a favor de medidas especiais que o preparem para isso. Peparação subsidiada, cursos gratuitos, bolsas TEMPORÁRIAS(emd inheiro), programas especiais de qualificação etc… Isso, repito, para que tenha uma chance mínima de atingir os requisitos que o nivelariam aos demais na competição para entrar no jogo.

Os que tiverem mérito para entrar, entrarão. Não poderão ser barrados por serem pretos, índios, mulheres; por pertencerem a certa casta, ou etnia. Se quiserem barrá-los por esses motivos, defendo até a violência como reação.

O ponto central é este: a representação, tanto na entrada como na saída, tem que ser conseqüência da performance de cada um. Se 100% dos mais qualificados forem pretos, teremos 100% de pretos representados (pense num time de baskete da NBA). Se zero por cento forem pretos, não teremos pretos. Mulheres, idem. Índios, do mesmo jeito. Políticas de Afirmative Action, para mim, são só para garantir igualdade de condições na entrada da disputa, nunca para garantir que certo percentual desta ou daquela “minoria” tenha representação garantida.

Não acho que quem não “está lá” ou não “chega lá”, tenha sido necessariamente “excluído”. Pode ter simplesmente ficado de fora, sem “culpa” de ninguém.

PS: É por isso que acho dúbias, confusas e até maliciosas, observações como a citada na coluna do Ancelmo Góis em “O Globo” de 06 de Julho: “Do ator Paulo Betti, na Tenda dos Autores [na última FLIP], ao ver a elite branca que dominava a platéia da mesa com Chico Buarque: — “não há um só negro aqui”.

O que quer dizer isso? Será que ele acha que os negros foram excluídos a porretadas na entrada? Que devíamos criar uma sessão especial “Chico Burque para minorias”, ou o quê?

Quer mudar o mundo,leitor? Então, cuidado com os bons! Cuidado com os generosos!

E eu acrescento, por minha conta: cuidado com os politicamente corretos !