3 de ago de 2009

Dura lex, sed lex - Fagundes pisou na bola

Antonio Fagundes pisou na bola (e pisou feio) ao afirmar, em entrevista publicada em jornais de grande circulação, que não vai cumprir a lei que determina que não se fume em locais públicos fechados.

Até simpatizo com o cara. Mas uma figura pública como ele não pode fazer uma coisa dessas.

A lei é para todos. Ou, como diziam os Romanos, dura lex, sed lex. A Lei é dura, mas é a lei. Adágio que, quando eu era moleque, era muito bem utilizado numa campanha de um fixador para cabelos masculinos que mais parecia uma versão um nadinha mais branda da Super-Bonder. O slogan permance vivo na minha memória, mesmo depois de passados uns 40 anos: dura lex, sed lex: no cabelo, só Gumex.

Voltando ao Fagundes: conhecendo este país, é bem possível que ele, ao descumprir a lei anti-fumo, permaneça impune. Afinal, trata-se de um ator Global. Eu sei, eu sei, grande bosta e coisa e tal, mas tem gente (incluindo algumas chamadas autoridades) que acha que um ator global é um ser acima de todas as coisas. Inclusive da Lei.

O pior é que a atitude arrogante de Fagundes certamente vai inspirar um bando de zé-manés a também transgredir a lei. Afinal, "se-o-fagundes-pode-eu-também-posso-e-coisa-e-tal"... E é aí que a porca vai torcer o rabo. Pois esses zé-manés vão se ferrar. Simplesmente porque não terão o poder da "carteirada" que o homem tem e podem dançar, sem choro, nem vela.

Ô moçada, vamos lembrar aí aquele sábio ditado nordestino: em briga de pedra, garrafa não entra.

Até segunda ordem, a lei anti-fumo é pra valer. E a maioria dos não-fumantes que estão dizendo nas pesquisas que não vão delatar os fumantes e os estabelecimentos que descumprirem a norma legal estão apenas sendo "politicamente corretos" (arghhh!). Na prática, vão dedar mesmo. Principalmente se puderem fazer isso no anonimato.

Quem não fuma tem o maior bode de quem fuma em espaços público. E ponto final.

E aqui vai um recadinho para o Fagundes: se é para lutar por alguma causa ou contra alguma injustiça do Executivo, do Legislativo ou do Judiciário, porque você não coloca toda essa sua globice a serviço da luta pela melhoria do ensino público (de do privado também), pela melhoria da saúde e da segurança, pela redução da carga tributária, pela moralização do Poder Público, etc.?