22 de abr de 2008

Ainda a Mídia e o "Caso Isabella"

Meu amigo Gândara, conhecido por seu envolvimento ativo com Educação e causas sociais, me enviou a mensagem que, com a autorização dele, reproduzo a seguir:

Meu Caro Marcelo,

Eu também não aguento mais e simplesmente já não assisto aos noticiários a respeito do assunto.

É lamentável sob todos os aspectos a perda de uma vida humana nestas circunstâncias, em especial de uma criança como Isabella (sou avô de uma menina de 6 e um garoto de 3 anos).

Entretanto, vou acrescentar um gole além dos seus comentários: qual teria sido a reação da mídia e do público desses outros países, caso este crime (hediondo, diga-se de passagem) tivesse ocorrido na Finlândia, Dinamarca, Suécia, nos EUA (lugar de frequentes assassinatos em massa nas escolas), no Canadá, na Inglaterra?

A notícia não duraria 3 dias, como de fato não tem durado (vide Columbine). As autoridades (de fato) tomariam conta do caso "sem nenhum estardalhaço".

Aqui, até agora, além dos policiais e Promotor envolvidos, só chamaram psiquiatras e psicólogos para opinarem a respeito das atitudes dos acusados e da reação das "massas".

Esta semana foi libertado em Campinas o pai que atirou seu filho bebê contra uma Van num ataque de fúria. Cumpriu menos de 1/6 da pena...saiu uma pequena reportagem no Estadão. E as emissoras de TV ? Nada ! Alguém foi até a casa do tal pai para protestar?

Isabella deve ter sido "a gota d'água" ! Quantas crianças morrem aqui no Brasil diariamente nas mesmas circunstâncias mas não da mesma forma? Quantas crianças faveladas e indígenas famélicas e desnutridas estão morrendo? Alguém faz alguma coisa? É noticiado?

Dia desses, no SPTV e depois repetido à exaustão no JN e no Jornal da Globo com direito a repeteco em todos os jornais do dia seguinte, uma empregada doméstica disse ao reporter que faltou ao trabalho para se postar diante da casa dos avós da menina e "aos prantos" declarou à Globo que estava ali para protestar porque "era mãe".

Nessa linha, deveria ser decretado FERIADO NACIONAL ou, no mínimo, "ponto facultativo" para que todas as mães brasileiras pudessem protestar também.

Neste fim de semana prolongado só faltou bandeira do MST nos altos do Tucuruvi... Alguém da área da Educação foi chamado a opinar ? Não, porque isto não dá IBOPE. Não fatura, não rende nada.

No meu entendimento estamos sim diante de um problema eminentemente CULTURAL ! Falta EDUCAÇÃO...muita EDUCAÇÃO em todos os sentidos da palavra a este sofrido e totalmente desamparado povo brasileiro.

E por favor, não me venham justificar o Padre Marcelo levar a infortunada (e "alegre") mãe da menina para o palco junto com Xuxa, Sangalo e os Xororó da vida em nome da Paz...é a "visibilidade" proporcionada pela mídia (de novo) a TODOS OS ENVOLVIDOS.

ISABELA SE TRANSFORMOU NUM PRODUTO DE CONSUMO

E, em circunstâncias como essas, descortina-se uma excelente oportunidade de extravasar as decepções e frustrações do cotidiano. Nesta hora o marketing da mídia entra em ação...e FATURA !

Essa idéia já era defendida há mais de 2.000 anos pelos romanos : "PANE ET CIRCUS" !

Um forte abraço.

JOSÉ LUIZ GÂNDARA MARTINS