23 de dez de 2011

Bom Natal! Feliz Chanuká! E até 2012!

Quem em 2012 todos os seus sonhos e planos se realizem.

Se é para sonhar, sonhe grande logo de uma vez

Quando criamos a Franchising University, em 1993, eu achava que estava sonhando grande. Meu sonho era chegarmos a 10 Turmas, antes de "aposentar" esse curso (que era uma coisa totalmente revolucionária para a época).

Pois já estamos na Turma 56! E não vemos nenhum motivo para não termos a Turma 57, a 80, a 90 e assim por diante.

Ou seja: mesmo quando eu acreditava estar "pensando grande", ainda estava sendo mais acanhado do que podia / devia. Deveria ter sonhado MAIOR AINDA.

Vou fazer uma provocação (endereçada tanto a você, que me lê, como a mim mesmo): Como andam seus sonhos e planos? Será que você não está "sonhando pequeno"?

22 de dez de 2011

A melhor cadeia de suprimentos do Mundo: a do Papai Noel

Meu amigo Donato Ramos - que também é diretor da Mundo Verde e meu colega no Conselho Consultivo da Sedi - replicou no Facebook este divertido texto escrito por um diretor da SAP. Gostei e decidi reproduzí-lo aqui:

Santa's Supply Chain: Best in the World? [texto de Richard Howells, da SAP]

"Gartner likes to publish the Top 25 Supply Chains every year. Unfortunately, there’s one supply chain the esteemed analyst firm continues to overlook. And it just so happens to be the greatest supply chain success story of all time. I’m talking about The Santa Claus Supply Chain. Don’t believe me? Who else can claim:

• A laser focus on the target market – Children of all ages

• 100% perfect order rating, on-time delivery and fill rates

• A global distribution channel that spans the world in 24 hours

• Direct Door to Chimney Delivery Model

• A committed workforce with zero turnover

• The very first known supply chain to run “in the cloud”

Let’s take a closer look at Jolly St. Nick’s supply chain superiority, shall we?

Manufacturing and Distribution Facility

At first glance, Santa’s manufacturing and distribution facility (the North Pole) is not ideally located from a logistical perspective. However he does have total control of his manufacturing and achieves tremendous economies of scale in production by having a single manufacturing facility (Santa’s Workshop).

It is also believed to be the largest single manufacturing plant in the world. With the global population surpassing 7,000,000,000 people, of which around 35% are under 19 years old (check out this cool dashboard to take a closer look at the world population in 2011 and beyond), the workforce (Santa’s Little Helpers) need to produce over six million presents every day of the year. As a result, inventory of billions of end products are built up towards the peak season (Christmas Eve) creating the ultimate warehouse management challenge.

In addition, The North Pole location is also a brilliant financial strategy as records show that it is it is exempt from all government taxes and regulations as, being located in the Arctic Ocean it is not owned by any single country and is considered “international territorial”.

Customer Service

Santa has an unblemished reputation for “delivering on the promise.” There’s never a late delivery, and in my experience, he usually delivers more than expected! I’d say that deserves a perfect order rating of over 100%. But how does Santa actually maintain such an accurate customer database (naughty and nice list)? With over seven billion records, it’s a prime example of “big data” and is of course more manageable because it’s “in the cloud”!

Order Processing

Traditionally, Santa has taken a large number of orders personally. Usually by face to face customer meetings (whilst sitting on his knee), or from letters delivered via the once popular mail system (older readers may remember it). Thankfully, Santa is no technology slouch either as he now accepts orders electronically through popular social networking sites (check out my prior blog Are You Ready for the Social Supply Chain?). That’s right boys and girls, even Santa is on Facebook. You can also follow him on Twitter @Santa or reach him via C2S (Child2Santa) at: santa@santaclaus.com.

Supply Network Collaboration

There is no official count of how many suppliers Santa deals with but I have heard that he leverages S2B (Santa to Business) process to collaborate (check out my prior blog Collaboration: The New Battle Cry of Supply Chain). I can only imagine the level of visibility that Santa requires to orchestrate purchase orders, shipments, in transit inbound inventory of raw materials and components, and the optimization of the transportation network to get all his supplies to the North Pole on time.

Supply Chain Planning

Santa’ demand forecasting must have him pulling at his beard when trying to synchronize supply to demand during S&OP meetings. He has millions of SKU’s that all peak at exactly the same time (Christmas Eve). He also has to deal with unbelievably short planning cycle times based on 1 on 1 order taking processes at strategically placed customer service centers (Santa’s Grottos) and Direct orders (letters to Santa) that are sometimes not available until point of delivery (with milk and cookies at the fireplace). These complex challenges require a very responsive planning system to manage “push/pull boundaries” in a very demand driven, finish-to-order planning and manufacturing process.

Transportation and Logistics

Santa has the logistical and fulfillment challenge of visiting every customer / location combination in a 24 hour period. Actually it is a 31 hour time period (read on). This is all done through his own logistics fleet of “a miniature sleigh, and eight tiny reindeer” (see “The Night Before Christmas” for more details). I have done a little research to find out a few of his logistical secrets:

• How Santa’s Sleigh works – It’s quite complicated, and I won’t bore you with the details, but it has something to do with his “antimatter propulsion unit” which apparently, allows him to travel faster than the speed of light.

• How fast does Santa’s sleigh go? – It has been estimated that Santa has to plan a transportation route that visit 822 homes a second to deliver all the world’s presents on Christmas Eve. Therefore, Santa travels at approximately 3,000 times the speed of sound!

• How much can his sleigh carry? – Assuming each child gets nothing more than a medium sized gift (2 lbs), the sleigh is carrying 2.1 million tons, not counting Santa, who himself is often described as “overweight”.

• How long does his trip take? By leveraging different time zones, Santa adheres to a 31 hour delivery run, which, I am sure breaks all Hours-of-Service (HOS) rules.

• How does Santa reduce supply chain risk? According to FAA folklore, if the weather’s ever bad on Christmas Eve, Santa is automatically cleared for flight thanks to the brightness of Rudolph’s nose (see Why is Rudolph’s nose red? for details).

• How does Santa fit everything in his sack? This is one of Santa’s greatest competitive advantages and, I believe, one of the best kept secrets in supply chain management. The answer came from a source close to Santa who told me that “The sack shrinks presents and they only get bigger when they’re in the right home”.

• How do the reindeer fly? A long time ago Santa and his helpers discovered magical oats and corn. When the reindeer eat the oats and corn they are able to leap high into the air and fly. (Source: www.santaclause.com). This is a very sustainable source of power, with a very low carbon footprint.

• How strong are the reindeer? On land, conventional reindeer can pull no more than 300 pounds so the eight flying reindeer do the job of about 1,633,333 of the “non flying” variety.

• How old is Santa? Santa is also proof of the aging driver population being over 1,700 years old.

Inventory Management

Santa also seems to have perfected his Inventory Optimization and safety stock planning, as you never hear of a “Santa Sale” on December 26th – a fact that’s been making his competitors pull their hair out for hundreds of years!

Tracking and Tracing

Because Santa flies a single delivery route and mode of transport, there is not a great need for individual RFID tags on each delivery. He has, however, in the past few years, taken advantage of a GPS Tracking device so that his customers can track and trace his movements and current location in real time; through a service provided by NORAD (my children love this). This is also a very good system for parents to “encourage” children to go to bed as they can now tell, to the nearest hour that “he is coming”.

So, based on the aforementioned, does Santa have the best supply chain in the world?

Would you dare say “no” and perhaps end up on his naughty list?

P.S. According to our records, Santa is not an SAP Customer, but a lot of his suppliers are.

Happy Holidays,

Richard"

21 de dez de 2011

Ótimo texto do meu guru Clemente Nobrega sobre o Método Barça

O que ele escreve se aplica como uma luva ao que meus sócios e eu estamos tentando no Grupo Cherto. E aposto que pode se aplicar também a sua organização:

Barcelona – a criatividade está no método [texto de Clemente Nobrega, publicado em seu blog em 19/12/2001]

"Sobre a inovação futebolística chamada Barcelona, a grande lição é a seguinte: a criatividade está num MÉTODO. Isso é bacana e vale em outros campos, até na arte e na ciência. São poucos os gênios que se destacam sem, digamos, estarem CONECTADOS a algo maior. É a conexão com um todo maior que potencializa a competência do indivíduo.

Os indivíduos têm que dominar fundamentos básicos – não errar passe, dominar bem a bola, por exemplo – mas o desempenho superior emerge sempre do coletivo. Milhares de jogadores pelo mundo dominam fundamentos, mas não fazem diferença porque estão em “coletivos” que não fazem diferença. Não conseguem conectar-se a nada maior que eles próprios.

Messi não joga na seleção Argentina o que joga no Barça. Daniel Alves idem, no Brasil. Nenhum jogador do Barcelona jogaria em qualquer outro clube do mundo o que joga lá. Faltam conexões. É o sistema – o método – “Barcelona” que os torna imbatíveis. Os clubes deveriam parar de contratar super-astros a peso de ouro; deveriam contratar MÉTODOS - sistemas culturais?! – a peso de ouro.

O Sistema que o Método implementa é mais importante do que qualquer ator individual, porque é ele que EDUCA esse ator. Sistemas só se consolidam com tempo para experimentar (e errar) porque são processos de EDUCAÇÃO. Nenhum método vencedor se instaura sem tempo para experimentação, o que é frontalmente contrário à mentalidade dominante no futebol (veja meu comentário ao post anterior).

O brilhantismo do Barcelona consagra essa verdade de outros campos. O gênio isolado é um mito, uma exacerbação da mentalidade midiática de hoje.

Celebridades não têm importância. Os executivos da GE que tiveram sucesso durante os 20 anos de Jack Welch lá, não tiveram sucesso equivalente em outras empresas. A APPLE só será realmente notável se tiver embutido em sua cultura o que Steve Jobs concebeu

A gente mexe em time que está ganhando, sim senhor!

O lema do Grupo Cherto (Cherto Consultoria + Cherto Educação Corporativa + Franchise Store) é: 1% melhor a cada dia. Todos os dias. E a gente leva isso muito a sério.

É óbvio que só consegue melhorar o que já é bom quem tem a ousadia de mexer em time que está ganhando. No nosso caso, às vezes a mexida é grande e às vezes é pequena. Mas tem mexida o tempo todo. Não nos acomodamos.

Sabemos que, se quisermos continuar líderes, precisamos estar antenados, nos antecipando às necessidades de nossos clientes. Dando um jeito de oferecer a eles o que sabemos que precisam, antes mesmo que eles se dêem conta de sua própria necessidade.

E foi exatamente isso o que fizemos - mais uma vez - quando decidimos ampliar o leque de serviços da Franchise Store e mudar seu local de funcionamento para um espaço mais sofisticado e mais acessível, que oferece aos clientes mais privacidade e nos garante mais agilidade.

Confira no vídeo abaixo os novos serviços da Franchise Store (que acaba de completar 3 anos de existência e é líder mundial na comercialização de franquias de terceiros):

1 de dez de 2011

A Nº 1 em venda de franquias no mundo agora chega ao México

A marca brasileira mais reconhecida quando o tema é a comercialização de franquias chega agora ao México, como resultado de uma parceria entre o Grupo Cherto e a Feher & Feher, principal consultoria de Franchising do México.

A Franchise Store, empresa que mais vende franquias de terceiros em todo o mundo, inaugurou ontem, 30/11/2011, na Cidade do México, sua primeira franquia. Com investimento de US$ 110 mil, a loja mexicana abre as portas oferecendo mais de 80 marcas aos interessados em adquirir franquias.

A expectativa dos gestores da loja mexicana é chegar ao fim de 2012 com 110 marcas sendo oferecidas e pelo menos 200 negócios fechados. A nova Franchise Store ocupa um prédio de 400m² em Polanco, área nobre na Cidade do México. O modelo de negócio idealizado e desenvolvido pelo Grupo Cherto e inaugurado em São Paulo no final de 2008, foi replicado no México graças uma parceria com a consultoria Feher & Feher, cujos controladores são conhecidos de longa data dos sócios do Grupo Cherto, tendo já desenvolvido vários projetos em conjunto.

Aliás, Ferenz Feher foi presidente da IFCN - International Franchise Consultants Network, cargo hoje ocupado por Fernando Campora, que é sócio e diretor do Grupo Cherto.

Desde o início, o projeto Franchise Store previa a reprodução do modelo em outras praças do Brasil e, posteriormente, em outros países. "Sabíamos que tínhamos algo inovador e com forte demanda do mercado. Mas inicialmente focamos nossos esforços em consolidar a marca em São Paulo – centro de negócios no país - para depois iniciar nossa expansão,” conta Marcelo Cherto, sócio fundador do Grupo Cherto, do qual faz parte a Franchise Store.

A idéia era abrir antes uma loja no Rio de Janeiro, para só depois pensar em partir para o Exterior. Mas o aumento vertiginoso nos custos de ocupação no RJ, onde luvas e aluguéis andam nas alturas, levou à aceleração na implantação dos planos de expansão internacional.

A Franchise Store no Brasil completa seu terceiro ano de vida com mais de 600 franquias comercializadas, tendo movimentado até hoje mais de R$ 350 milhões em investimentos. Isso, sem falar nos mais de 400 pontos comerciais que a empresa analisou e negociou para seus clientes. “O resultado desse trabalho é tão positivo, que hoje a Franchise Store é referência nas Américas. E agora nossa marca já está do outro lado do continente. Tudo isso em menos de 3 anos!”, comemora Filomena Garcia, sócia diretora da Franchise Store.