8 de mai de 2010

"Todo mundo morre. Nem todo mundo vive."

Se for ao Shopping Eldorado, não deixe de ir ao subsolo (na Alameda de Serviços, onde ficam os clientes da Cherto Academia Fórmula e Jaques Janine) conhecer uma lojinha minúscula chamada “Casinha Pequenina”, da qual sou cliente fiel.

É uma lojinha só de miniaturas. Tem miniatura de tudo o que puder imaginar. Ali, volta e meia, compro uma miniatura de cadeira para a coleção da patroa.

A loja, por si só, já é o máximo. Mas as donas é que são o grande charme do lugar: duas irmãs anãs, a Mila (1,20m) e a Adriana (1, 30m). Já escrevi sobre elas para o site da Pequenas Empresas Grandes Negócios (pensando bem, existe veículo mais apropriado para um artigo sobre elas e sua loja?).

Veja você: duas anãs donas de uma loja de miniaturas. Transformaram sua deficiência numa tremenda vantagem competitiva.

A mais falante, a Mila, é atriz nas horas vagas. E atualmente faz stand-up comedy. Contando, é claro, situações vividas por ela mesma.

Mila teria total direito de ficar em casa chorando e lamentando o destino cruel. Mas não. Escolheu ser protagonista da própria existência, fazendo algo construtivo.

Ela faz as pessoas felizes. Tem um astral incrível, é uma super vendedora, tem paixão por sua loja e pelo que vende nela. E faz todo mundo em volta se sentir melhor. Todos os que vão à sua loja, voltam. Eu mesmo voltei mais uma vez lá, ontem à tarde.

Afinal, seja por ela, pelos produtos ou pelo astral, não dá para sair de lá sem se sentir um pouquinho melhor do que quando entrou. Vá lá e confira.

Isso é viver. Mila é das pessoas que vivem.

Desculpe a filosofia de boteco numa manhã chuvosa de sábado, com os filhos ainda dormindo e a patroa correndo atrás do arroz de pato que encomendou para o almoço do Dia das Mães.

Beijos pras leitoras meninas. Abraços pros leitores meninos. Feliz Dia das Mães para as leitoras mães. E (why not?) também pros leitores filhos-da-mãe. Rá, rá, rá!