31 de mai de 2009

Sugarscape - simulação de como funciona a economia de mercado

Clique aqui para visitar o blog do Clemente Nobrega e conhecer o interessantíssimo Sugarscape. Garanto que vale a pena.

É óbvio que, para a coisa fazer sentido, você tem que ler os posts do blog sobre o Sugarscape na ordem em que foram escritos. Ou seja: primeiro o de quarta-feira (dia 27/05), depois o de quinta (28/05) e, finalmente, o de sábado (dia 30/05). E, assim por diante, se houver mais algum post sobre o tema publicado até o momento em que você acesse o blog do Clemente.

Aniversariantes do mês de maio da equipe GrowBiz

Certas coisas não mudam com a fusão Cherto + Advance + Ricardo Pastore - Consultoria de Varejo. Uma delas é o hábito - instituído na antiga Cherto - de comemorar com bolo, sanduíches de metro e refrigerantes os aniversários do mês.

Nesta foto, de autoria da Paula, os aniversariantes de maio: Marina H, Michel, Fernando e este que vos escreve. Notem as polos com o logo GrowBiz, que o Fernando e eu usamos na foto. Presente do nosso sócio Dagoberto. Que não joga no São Paulo, mas bate um bolão.

30 de mai de 2009

Mais um vídeo a que você precisa assistir

Canal da Franchise Store no You Tube

Agora a Franchise Store, primeira loja especializada na comercialização de franquias (e que vende atualmente franquias de mais de 50 marcas diferentes), tem um canal no site You Tube. Clique aqui para conferir e assista aos vídeos de seu interesse.

28 de mai de 2009

O Twitter como canal de vendas

Segundo a própria empresa informa (clique aqui para conferir), a Tecnisa acaba de vender seu primeiro apartamento pelo Twitter. Foi uma unidade no bairro do Alto da Lapa, por R$ 500.000,00.

Belo filme, feito com celular

Foi a Marilia quem me enviou o vídeo.

27 de mai de 2009

Não, as oportunidades não virão bater à sua porta

Texto original do meu artigo publicado na Gazeta Mercantil na semana passada:

O que não falta é oportunidade [artigo de Marcelo Cherto]

Não agüento quem diz que “bom era no tempo do meu avô” ou “na década de 1970 é que havia oportunidades neste país” ou coisas assim. Vão plantar batatas! Nunca houve tanta oportunidade como agora. Mas, e a crise? Vá por mim: as crises costumam gerar ainda mais oportunidades. Afinal, toda oportunidade decorre de uma necessidade. E toda crise é prenha de necessidades.

Poucas semanas atrás, Chris Hughes, o garoto de apenas 25 anos de idade que criou o Facebook e depois se tornou o principal arquiteto da vitoriosa campanha de Barack Obama na Internet, palestrou no mesmo evento que eu, o Endeavor Entrepreneus Summit, em Miami. Quando lhe perguntaram por que motivo o Facebook deu tão certo, sua resposta foi: “porque atende a uma necessidade humana básica, que é estar conectado com quem tem importância para a gente”.

Anote aí: só há negócio se houver uma necessidade básica a ser atendida. E se quem toca o negócio for capaz de identificar e acessar gente suficiente disposta a pagar para ter essa necessidade atendida e conseguir entregar a solução a um custo mais baixo do que essas pessoas estão dispostas a pagar por ela.

E há tantas necessidades a atender! Pessoalmente, lamento duas coisas: já ter 55 anos (e, assim, não mais que uns 30 ou 40 anos de vida produtiva pela frente) e a semana só ter 7 dias e cada dia só ter 24 horas. São fatores que conspiram para me impedir de explorar todas as oportunidades que percebo à minha volta o tempo todo.

E porque muita gente não as percebe? A meu ver, por dois motivos principais:

1. ao contrário do que dizem canções e ditados, raramente as oportunidades batem à porta de alguém. Elas andam por aí, pelas ruas, pelos shoppings, pelos bares e pelos parques, nos comportamentos, nos escritos e nas falas das pessoas, se exibindo para quem tiver olhos para vê-las e quiser tirar proveito delas; e

2. geralmente, é preciso sair da acomodação para tirar proveito de uma oportunidade. E é muito mais fácil a gente se acomodar. Afinal, como diz meu amigo Néocles, para se acomodar a gente não precisa fazer nada.

Portanto, minha receita para encontrar oportunidades é: circule, saia da toca, vá a exposições de arte, shows e concertos, converse com pessoas diferentes, assine blogs de gente interessante e interessada, navegue no Twitter, observe como as pessoas compram e do que se queixam. Freqüente ambientes criativos, dinâmicos, empreendedores. Faça isso com os olhos, o coração e a mente abertos, e vai perceber quanta oportunidade existe. Encontrando uma que valha a pena, tire o traseirinho da cadeira e dê duro para que ela se materialize.

E você nunca mais vai dizer - nem tolerar que digam - que tempo bom era quando vovô andava de lambreta.

****************************************************************

Marcelo Cherto é CEO da GrowBiz – grow your business (www.growbiz.com.br), membro do Conselho Consultivo Global da Endeavor e integrante da Academia Brasileira de Marketing.

Excelente artigo no Financial Times de hoje

Clique aqui para ler o excelente artigo de Luke Johnson, publicado na edição de hoje do Financial Times.

Tema: empreendedores são diamantes brutos.

26 de mai de 2009

Será que a Lavazza está mesmo comprando a Casa do Pão de Queijo?

Está cada vez mais forte o rumor de que o Grupo Lavazza estaria prestes a formalizar, com o Banco Pátria, a aquisição do controle da empresa Casa do Pão de Queijo, uma das grandes franqueadoras brasileiras do ramo de food service, com mais de 450 lojas e mais de 400 outros pontos de venda espalhados por todo o Brasil.

Se você analisar o portfolio de produtos e serviços Lavazza e, principalmente, as redes de cafeterias que o grupo já controla em vários países, a aquisição faria todo o sentido.

E é bom lembrar que o Grupo Lavazza já adquiriu, no ano passado, duas empresas brasileiras produtoras de café: a Café Grão Nobre, do Estado do Rio, e a Café Terra Brasil, de São Paulo.

Entendeu, agora, a gracinha do "me pala ba" no post sobre a semelhança física da Susan Boyle com a Vovó Artêmia, em combinação com o post anterior, ambos aí abaixo?

A verdade sobre Susan Boyle

Minha amiga Stella Susskind foi quem me alertou para o fato de que, depois que deram uma repaginada na escocesa, ficou fácil saber qual a identidade secreta de Susan Boyle:

E, como diria meu amigo Franklyn, "para bom entendedor, me pala ba".

Boataria forte

Correm no mercado fortes rumores de que o controle de uma importante - e muito brasileira - empresa de fast-food estaria prestes a trocar de mãos. A due diligence já estaria nos finalmentes.

Só que a coisa vem cercada por um tal sigilo que não se sabe quem é o comprador. Eu arriscaria o nome de uma organização que andou fazendo incursões pelo ramo nos últimos tempos, mas a verdade é que ninguém sabe...

Conheça o Blog da Franchise Store

Clique aqui para visitar o Blog da Franchise Store, cheio de notícias para quem pensa em investir numa franquia, ou mesmo para quem tem interesse em acompanhar o que acontece no mundo do Franchising.

23 de mai de 2009

Um vídeo a que você TEM QUE assistir. Não perca.

Maravilhoso. Inspirador. Dica de meu amigo jordaniano Fadi Ghandour, fundador e CEO da Aramex, a primeira empresa do mundo árabe a ter suas ações cotadas na Nasdaq:

21 de mai de 2009

A vingança perfeita contra chatos do telemarketing

Imperdível. Absolutamente imperdível. Como eu nunca pensei em algo assim antes? O vídeo é cortesia da Marília Fanucchi Ferraz:

Gilly Hicks - marca de lingerie do grupo Abercrombie

Não satisfeitos em dar uma virada total no Posicionamento da marca Abercrombie & Fitch - que, de uma marca de roupas clássicas para homens clássicos, tipo calça-cáqui-de-algodão-camisa-oxford-azul-claro-blazer-marinho (categoria na qual me enquadro 100%)virou uma marca tipo loja-com-clima-de-balada-para-mocinhas-e-mocinhos-modernosos - o pessoal do grupo Abercrombie resolveu lançar uma rede de lojas de lingerie de Classe A totalmente diferente, a Gilly Hicks.

Como você pode conferir no site, eles tentam dar um ar de exotismo à coisa toda, sugerindo vagamente que a marca vem de Sydney, Austrália. Mas a verdade é que a sede fica em Ohio, nos EUA mesmo.

Fui duas vezes à única loja que existe na região de Miami. Uma vez sozinho, só para conhecer. E, depois, levando minha mulher para conhecer (e comprar, é claro). A loja fica no Aventura Mall, no segundo piso, bem em frente à loja da Ferrari. Dou essa dica para o caso de você querer ir lá, porque, mesmo procurando, tive dificuldade em encontrar a Gilly Hicks. É que a fachada é um tanto fechada (desculpe o trocadilho involuntário). E a marca simplesmente não aparece. Confira na foto abaixo.

Na verdade, a marca está grafada em letras douradas, bem pequenas, coladas à parte inferior do vidro das janelas da fachada, que sugere a de uma casa chique situada numa fazenda chique no Outback, na África ou em alguma platation do sul dos EUA.

Dentro, a loja é imensa. Calculei pelo menos uns 500m2 ou 600m2, mas posso ter errado, pois o espaço é dividido em vários ambientes, como se fossem os cômodos de uma casa antiga. Tudo fica na penumbra, com paredes e prateleiras de uma madeira quase negra, um grande lustre de cristal com lâmpadas bem fraquinhas, carpete cor de vinho e uma luz muito suave, a não ser pelos focos individuais dirigidos para cada um dos produtos expostos.

O arquiteto foi muito feliz no uso da iluminação. Criou com ela um verdadeiro cenário, no qual os protagonistas são os produtos. As fotos abaixo não dão uma idéia clara do quanto é bacana o efeito resultante do uso bem pensado da iluminação dirigida num ambiente bem escuro. Aqui no Brasil, a maioria das lojas não sabe fazer uso da iluminação com a competência que os gringos têm para esse tipo de coisa.

Embora um tanto alta para os ouvidos sensíveis de um cinquentão, a música é de boa qualidade. Chique, sofisticada. Nada daquele bate-estaca irritante das lojas Abercrombie, que tanto me aporrinha. O serviço também não tem nada com o das lojas Abercrombie, onde vendedores e vendedoras quase-grosseiros, que parecem se achar os bam-bam-bans da bala chita e pensam (ou são levados a acreditar) que são mais importantes do que qualquer cliente, se limitam a, se tanto, indicar com ar blasé onde fica o produto que o pobre coitado que se dispõe a comprar algo lá está procurando.

Na Gilly Hicks, o atendimento foi cordial, feito por mocinhas atenciosas, discretas e, aparentemente, bem treinadas. Só não me deixaram entrar na área dos provadores, mas isso é compreensível, porque lá dentro circulam clientes do sexo feminino em trajes menores. Acredito que estavam me preservando, pois vá lá que eu dê de frente com uma daquelas americanas super obesas com o peitoril de fora. Corria o risco de ficar traumatizado para sempre.

Minha mulher, que entrou nessa área restrita para ver e para provar algumas peças, me contou que os provadores são grandes, bacanas, com lugar para sentar e um móvel que imita uma cômoda antiga (ver foto abaixo) com várias gavetas. Em cada gaveta, um modelo de sutiã em todos os tamanhos disponíveis. Para a cliente provar à vontade, sem ter que sair do provador. Experimenta, pega os papeizinhos com a referência dos modelos de que gostou e depois pede à vendedora os que quer levar, no tamanho e nas cores de seu interesse. Prático, simpático, inovador, inteligente.

Os produtos, de forma geral, são bacanas. Minha mulher achou, eu achei e minha filha, para quem trouxemos algumas peças, também. Claro que há calcinhas daquelas de gringa, com a parte do bumba um tanto grande e bufante. Mas também há modelos que uma brasileira pode usar sem o risco passar vexame na frente do amado (ou amada, que este é um blog sem preconceitos), na hora de tirar a roupa.

A não ser pelos produtos em promoção (alguns bem bacanas, diga-se de passagem), os preços, no geral, são bem salgadinhos. Ainda mais para o bolso de quem ganha em Real. Mas suspeito que estejam altos mesmo para quem ganha em dólar, o que talvez explique porque motivo a loja estava tão vazia, nas duas vezes em que lá estive. Isso e mais o fato da loja ser tão "fechada", parecendo um lugar onde a gente só deve entrar se for convidado, como a casa de alguém que a gente não conhece direito.

Em suma, um conceito de negócio bacana, com produtos bacanas, uma comunicação bacana, uma identidade visual bacana, mas que vai precisar ser revisto - ou muito divulgado e promovido - se o objetivo for torná-lo lucrativo.

Confira as fotos:

Presentes personalizados

Minha mulher, que, assim como eu, é fã da rede de lojas americanas Williams-Sonoma, chama a atenção para a área do site dos caras em que o cliente pode encomendar um presente personalizado.

As opções vão deste um kit de churrasco com todos os itens com as iniciais ou o monograma da pessoal a ser presenteada (incluindo um "ferro de marcar" para colocar a "assinatura" nas carnes) até copos, vasos e - acredite - capachos. Clique aqui e confira.

Esses gringos sabem vender, não é não?

19 de mai de 2009

"Eu sou você amanhã"

Imagem que está circulando na Web, maldosa, porém engraçada, na linha "eu sou você amanhã":

Quem me enviou foi a Leila, minha assistente.

18 de mai de 2009

Ah que saudades eu tenho da aurora da minha vida...

Dentro de algumas horas, completo 55 anos. E o relógio segue tic-tac-tic-tac. Tenho cada vez menos tempo para concretizar todos os meus sonhos e planos...

Que mierda !!!

17 de mai de 2009

Filtros Europa = é muita cara de pau !!!!

Embora meu telefone de casa esteja inserido na lista dos números cujos titulares não desejam receber ligações de telemarketing, ontem (sábado!!!) por volta das 11:50h da manhã recebi uma ligação de uma mocinha que dizia ser da área de Controle de Qualidade da empresa Filtros Europa e me perguntou se eu tenho algum produto dessa marca em casa.

Quando respondi que não tenho, me perguntou se eu não gostaria de conhecer os produtos Filtros Europa. Embora estivesse louco para xingar a pobre coitada (que não tem culpa, está apenas cumprindo seu dever e defendendo seu salariozinho mata-fome), não o fiz. Apenas desliguei. E formulei uma reclamação ao Procon.

É muita cara de pau!!! Vamos ver se o Procon consegue fazer alguma coisa para que invasões de privacidade desse gênero cessem de uma vez por todas.

O segredo do sucesso... em 8 palavras

De acordo com Richard Saint John, o segredo do sucesso está contido em 8 palavras comuns. Assista a este vídeo e descubra quais são essas palavras:

Para ter acesso ao mesmo vídeo com legendas em Português, clique aqui.

A credibilidade do Brasil está em jogo

Na linha do meu post de 08 de maio, a Folha de S. Paulo do dia 14 último publicou o artigo abaixo, de autoria de Saulo Ramos, que põe às claras essa maracutaia (mais uma!) que o Governo e o Congresso vêm articulando, com relação aos Precatórios:

Vergonha permanente [artigo de Saulo Ramos, Folha de S. Paulo de 14/05/09]

Pela terceira vez utiliza-se emenda constitucional para prorrogar pagamentos de precatórios, isto é, títulos que representam dívidas públicas resultantes de condenação judicial. O precatório, por si só, já é um calote. Somente surge quando o poder público, União, Estados e Municípios, deixa de pagar dívidas e obriga os credores a recorrerem ao Judiciário que, como todos sabem, é o mais lento paraíso dos devedores em geral.

Essa escandalosa mentalidade brasileira de não pagar o que deve e esperar a condenação judicial foi consagrada pela Constituição, que assegurou a liquidação dos precatórios em ordem cronológica. A regra está no artigo 100.

Com a Constituição de 1988, o Congresso Constituinte editou uma regra transitória que esticou um pouco mais o dever de pagar as dívidas objeto de condenação judicial. No Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, enfiou o art. 33, que concedeu oito anos de prazo (oito prestações anuais) para o pagamento dos precatórios que estivessem pendentes na data da promulgação da Constituição.

Concedeu-se mais: as entidades devedoras poderiam emitir títulos da dívida pública para pagar aqueles precatórios adiados. Foi uma farra. Alguns Estados e Municípios emitiram letras muito acima dos valores dos precatórios e saíram por aí vendendo-as por dinheiro vivo aplicado por alguns investidores incautos, que acreditavam em títulos públicos.

A imoralidade resultou na CPI dos Precatórios, com escandalosos noticiários de TV, rádios e jornais.

Alguns espertos governantes das entidades devedoras tiveram a idéia, diante do escândalo, de não pagar até os títulos públicos emitidos para pagamento dos precatórios. Alguns tribunais de justiça estaduais (a letra minúscula é de propósito) anularam os títulos e obrigaram os credores a propor ações ordinárias para cobrarem outra vez os respectivos créditos. Mais vinte anos. Resumindo a ópera: alguns dos créditos de precatórios vencidos em 1988, adiados por oito anos e transformados em letras dos tesouros devedores, não foram pagos até hoje.

Doze anos depois, o Congresso editou nova emenda constitucional enfiando, nas Disposições Transitórias, o art. 78, que deu aos precatórios, então existentes na fila, mais dez anos para serem pagos em dez prestações suaves e anuais. Teve o cuidado de ressalvar, desde escandaloso benefício, os precatórios do art. 33 e suas complementações. Mas desferiu o segundo permissivo de calote através de reforma constitucional. Outra disposição constitucional transitória (art. 86) excluiu os precatórios de pequeno valor. O direito constitucional passou a ser usado como instrumento de comércio.

Agora já se prepara o terceiro calote. Por emenda apresentada pelo Senador Renan Calheiros e aprovada pelo Senado no simbólico dia 1o de abril, sob a velocidade da luz apagada, está-se introduzindo mais um artigo nas Disposições Transitórias que dará aos devedores de precatórios mais quinze anos de prazo. Façam as contas. Oito anos no primeiro calote, dez anos no segundo e quinze no terceiro. A Constituição tem apenas 20 anos, mas os calotes nela introduzidos já somam 33 anos. E com a teratológica situação de quem, há vinte anos, recebeu títulos públicos para pagar os precatórios então existentes, teve que entrar em juízo para cobrar esses títulos e receberá novos precatórios com prazo de quinze anos. Ou aceita completar esses 35 anos ou terá que se submeter a situações mais vexatórias, pois desta vez alteram-se as disposições permanentes do art. 100.

Estabelece-se, agora, um mercado para os títulos, que os credores venderão com deságio. Haverá o economista que o chamará de “unpaid debt trade”. A maluquice maior institui leilão para os credores. Em vez de fila cronológica, pagar-se-á aquele que no leilão oferecer maior desconto. O leilão também será limitado porque dependerá de percentual da receita do devedor. Credor de precatório que não concordar com o leilão vai para o fim da fila.

A emenda está na Câmara dos Deputados, que terá a oportunidade de salvar a testada do Congresso Nacional. O escândalo de criar um mercado do calote através de disposição constitucional é desmoralizar por completo (vale o cacófato) o poder constituinte residual do Parlamento Nacional. Transforma-o em poder desconstituinte dos mais elementares fundamentos da moralidade, em que pese a pressão dos prefeitos e governadores para o Congresso cometer mais este pecado mortal: usar o direito constitucional como instrumento de assalto. Por meio de disposições transitórias institucionalizar uma vergonha permanente.

Saulo Ramos, advogado, foi Consultor Geral da República e Ministro da Justiça. É autor do livro Código da Vida.

Publicado na Folha, em 14 de maio de 2009

15 de mai de 2009

A gente pensa que não, mas acontece...

Meu amigo Edmour Saiani participou de um evento internacional de EAD (Educação à Distância) e twittou - traduzindo = publicou no Twitter - os seguintes comentários:

congresso internacional de ead - mouse sem fio do computador do púlpito não funciona...

congresso internacional de ead - palestra pára no meio, por falta de luz...

congresso internacional de ead - essa foi a melhor: palestra sobre Gestão de Conhecimento, pen drive do palestrante bichado não tinha back-up

congresso internacional de ead - nenhum palestrante testou a apresentação antes de começar sua palestra. Gestão do que??????

congresso internacional de ead - keynote speaker não veio. E só avisaram uma hora antes... serviço total...mente lixo

Tem patrão que é carrasco mesmo!

Meu amigo Lacaz foi quem me enviou este vídeo revoltante, com o depoimento desse pobre coitado, que, com razão, odeia o emprego que tem e não vê a hora de mudar de vida:

Como investir numa franquia

Acontece amanhã o curso "Como Investir numa Franquia". Confira:

14 de mai de 2009

A versão masculina de Susan Boyle

Paul Potts, um humilde vendedor de loja de aparelhos celulares do País de Gales, é uma espécie de versão masculina de Susan Boyle:

Os caras são rápidos no gatilho...

Já lançaram uma boneca da Susan Boyle, aquela escocesa que virou celebridade instantânea depois de dar um show de canto no Britain's Got Talent:

Não brinque com a professora

Meu amigo Ronaldo foi quem me enviou o texto a seguir, que anda rodando pela Internet. Tem gente que jura que o caso aconteceu de verdade. Só estou repassando o peixe como o comprei:

Uma professora universitária dava as últimas orientações a seus alunos, com relação à prova final, que ocorreria no dia seguinte. E finalizou alertando a classe para o fato de que não haveria desculpas para a falta de nenhum aluno, salvo se fosse em decorrência de ferimento grave, doença ou falecimento de um parente próximo.

Um engraçadinho, daqueles que sempre sentam no fundo da classe, perguntou com aquele velho ar de cinismo:

- "Professora, entre os motivos justificados podemos incluir o extremo cansaço por excesso de atividade sexual?"

A sala inteira explodiu em gargalhadas.

A professora esperou pacientemente que o silêncio fosse restabelecido e, então, respondeu:

"- Não, lamento, mas isso não valerá como justificativa. Como a prova será em forma de teste de múltipla escolha, você pode vir para a classe e escrever com a outra mão... Ou, se não conseguir se sentar, poderá responder as questões em pé."

Vídeo "escolas matam a criatividade?" legendado

A leitora Luciene Vieira foi mais a fundo que eu e encontrou (e me enviou) o link para o trecho do vídeo da palestra de Sir Ken Robinson no TED em que o intelectual fala do quanto o sistema escolar, tal como funciona hoje (e como funcionou nos últimos séculos) "mata" a criatividade de todos nós. Vale a pena conferir:

13 de mai de 2009

Agora, acho que realmente eu já vi de tudo !!!

Criaram uma companhia aérea só para transportar animaizinhos de estimação: a Pet Airways. Se vier a operar no Brasil, vão poder usar o slogan: "uma companhia aérea boa pra cachorro".

Confira as fotos do exterior e interior de um dos aviões da empresa:

E já que falamos de escolas...

Aí vai um videozinho que o Roberto de Carvalho me enviou e que trata desse tema:

12 de mai de 2009

As escolas estão matando a criatividade?

Mais um vídeo em Inglês a que vale a pena assistir. Num TED 3 anos atrás, Sir Ken Robinson fala sobre o tema: “A escola mata a criatividade?”. Muito interessante:

11 de mai de 2009

Arte efêmera

O neo-zelandês Peter Donnelly cria obras de arte fantásticas... mas na areia, na maré baixa. Obras de arte que só duram umas poucas horas, até que a maré volte a subir. Confira:

Seth Godin fala de tribos e líderes

Infelizmente, mais um vídeo em Inglês (e sem legendas). Mas, para quem entende o idioma, vale a pena assistir:

Gripe Suína X AIDS

Minha amiga Elmira, que nasceu e foi criada na Turquia e hoje vive em Nova York, chama a atenção para um fato curioso: suspeita-se que cerca de 4.000 pessoas em todo o mundo estejam contaminadas pelo vírus da gripe suína. E todo mundo quer usar uma máscara. Milhões e milhões estão comprovadamente contaminadas com o vírus da AIDS. E muita gente insiste em não usar camisinha... Vai entender...

8 de mai de 2009

"No Brasil, nem mesmo o passado é previsível"

Meu irmão mais velho, advogado dos bons, me chamou a atenção para o fato de que, sem muito alarde, estão tentando fazer passar no Congresso uma emenda constitucional que constitui uma afronta a um direito adquirido de muitas pessoas e empresas e se traduz, na prática, em verdadeira moratória com relação a um dos mais importantes componentes da nossa Dívida Interna: os Precatórios.

Trata-se dos títulos relativos a dívidas que os Estados, Municípios e a própria União têm para com empresas e pessoas (decorrentes de desapropriações nunca pagas, de serviços contratados e prestados e nunca liquidados, etc.). Dívidas que já foram reconhecidas irrecorrivelmente pelos Tribunais brasileiros.

Se isso passar, como será que fica o Investment Grade do Brasil? Sim, porque estará provado de uma vez por todas que De Gaulle tinha razão, quando disse que nosso país não é sério.

Será que estão tentando provar mais uma vez que, como já disse alguém, aqui no Brasil não dá para prever nem mesmo o passado, quanto mais o futuro?

Como sorveteiros turcos vendem seu produto

Em Istambul, a venda de sorvete é feita com arte e muito humor. Confira:

Não pude usar um vídeo que o Roberto de Carvalho me enviou, mas fui atrás de outro e encontrei esse.

Além de cara de pau, é mal educado...

Estarrecido, li a declaração do deputado sergio moraes (as minúsculas são propositais), que teve o desplante de afirmar que "está se lixando para a opinião pública".

Pois faz muito mal, deputado. Afinal, o público para quem o senhor "se lixa" é quem paga o seu salário. E, além de ter o direito de exigir que o senhor aja com competência e honestidade, também demanda o seu respeito.

Aos poucos, a opinião pública vai acabar derrubando todos os políticos como o senhor. Espere e verá.

Tema dos Simpsons - cantado "à capela"

Nova ação "flash mob" da T-Mobile

Lembra da "flash mob" que a T-Mobile organizou uns 5 meses atrás na estação da Liverpool Street em Londres, sobre a qual escrevi na época? (clique aqui para rever)

Pois os caras resolveram repetir a dose e encheram a Trafalgar Square de gente cantando Hey Jude, que é uma espécie de hino da minha geração. Clique na imagem abaixo para ver o resultado.

1 de mai de 2009

Uau !!!

Acabo de saber que Chris Hughes, fundador do Facebook e, como estrategista da inovadora e avassaladora campanha do homem na Internet, um dos principais responsáveis pela eleição de Obama, vai palestrar no Endeavor Entrepreneur Summit, em Miami.

A capa da edição de abril da genial revista Fast Company traz a foto de Chris com o seguinte título, em letras garrafais: O GAROTO QUE TRANSFORMOU OBAMA EM PRESIDENTE.

Ou seja: vou palestrar no mesmo evento em que esse cara (ele sim, é o cara) vai falar.

Me perdoem a imodéstia, mas tô me achando...

Sei que continuo sendo um pangaré, mas pelo menos sigo em boa companhia.

Adeus, amor, eu vou partir...

Com ou sem o fantasma da gripe suína, daqui a algumas horas embarco para Miami. Vou participar de várias atividades da Endeavor Global:

1- participar, como Painelista (pode traduzir por “Jurado”), do Painel Internacional de Seleção dos novos Empreendedores Endeavor. Vou fazer dupla com o americano Matt Bannick, que foi CEO do eBay International e do PayPal e também serviu como diplomata na Alemanha na época da queda do Muro de Berlim. Juntos (e em conjunto com duas outras duplas de Painelistas), vamos analisar 6 empreendedores (1 da Turquia, 1 da Jordânia, 1 da Argentina, 1 da África do Sul, 1 do Brasil e 1 do México). De todas as atividades em que me envolvo no universo Endeavor, é a que me dá mais prazer e aquela com a qual mais aprendo. Os candidatos a empreendedores acham que aprendem muito conosco, mas eu sei que aprendo muito com eles.

2- participar da reunião anual do Global Advisory Board da Endeavor Global, que já teve quase 70 integrantes mas no ano passado foi reduzido a 16 e se tornou bem mais produtivo.

3- almoçar com os integrantes dos Boards de todas as Endeavors ao redor do mundo, o que significa estar em contato direto com gente que é coisa paca no país onde vive e trabalha.

4- palestrar, no auditório principal, como um dos integrantes do Painel que vai tratar de Gestão de Expansão de uma Empresa no Entrepreneurs Summit. Meus companheiros de Painel são uns feras e sei que vou aprender muito com eles.

5- coordenar, numa das salas menores, uma mesa redonda sobre Como Fazer Negócios no Brasil.

E, por fim, embora a agenda esteja uma doidera, aproveitar para relaxar um pouquinho, indo jantar no Nobu (meu restaurante japonês favorito) e, como diria meu pai, para descansar carregando pedra , conhecendo alguns conceitos de loja novos, como, por exemplo, a loja de lingerie que o pessoal da Abercrombie criou.

Enquanto estiver fora, vou tentar manter este blog atualizado, mas não posso prometer.

Garota boa de bola tá aqui

Meu amigo Antonio Carlos Ascar foi quem me enviou este vídeo: