18 de dez de 2007

Este blog estará em recesso até 10 de janeiro

Decidi conceder, a você, caro leitor ou leitora, e a mim mesmo merecidas férias deste Blog.

Só voltarei a escrever aqui neste espaço no dia 10 de janeiro de 2008. Espero retornar cheio de novidades e de idéias fora da caixa.

Como despedida, deixo aqui um texto de Carlos Drummond de Andrade que minha mulher leu em voz alta no jantar de final de ano que tivemos com toda a família dela. O texto me inspirou e espero que sirva de inspiração também para você.

Receita de Ano Novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo

cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,

Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido

mal vivido ou talvez sem sentido)

para você ganhar um ano

não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,

mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,

novo até no coração das coisas menos percebidas

(a começar pelo seu interior)

novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,

mas com ele se come, se passeia,

se ama, se compreende, se trabalha,

você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,

não precisa expedir nem receber mensagens

(planta recebe mensagens?

passa telegramas?).

Não precisa fazer lista de boas intenções

para arquivá-las na gaveta.

Não precisa chorar de arrependido

pelas besteiras consumadas

nem parvamente acreditar

que por decreto da esperança

a partir de janeiro as coisas mudem

e seja tudo claridade, recompensa,

justiça entre os homens e as nações,

liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,

direitos respeitados, começando

pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um ano-novo

que mereça este nome,

você, meu caro, tem de merecê-lo,

tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,

mas tente, experimente, consciente.

É dentro de você que o Ano Novo

cochila e espera desde sempre.

Que você e sua família tenham um ótimo Natal.

E que 2008 seja um ano muito melhor do que todos os que você já viveu. Como escreveu Drummond, depende basicamente de você.

17 de dez de 2007

Pensando em molhar o biscoito neste Natal?

Para quem está cansado daquelas forminhas para fazer cookies com formato de árvore de natal, boneco de neve, renas e outras "figuras meigas", a sueca Pipparkakan criou essa linha de formas inspiradas no Kama Sutra.

E a empresa ainda promove um concurso para premiar o cookie erótico mais bem decorado.

Tem gente que vai achar um horror. Mas eu achei hilário.

13 de dez de 2007

Rumores sobre troca de sócios no McDonald's

Circulam no mercado financeiro rumores de que o GP poderia adquirir, em parte ou no todo, a participação do Gávea (de Armínio Fraga) no negócio McDonald's em toda a América Latina.

Aliás, comenta-se que o GP também estaria interessado em adquirir as participaões que os fundos Capital International e DLJ South American Partners detêm no negócio. Ninguém confirma.

Aconteceu comigo

Nestas semanas que antecedem o Natal, quando coincide de eu ter várias reuniões agendadas num mesmo dia em cantos diferentes da cidade, tenho preferido me deslocar de táxi, para poder andar pelos corredores de ônibus desta São Paulo cada vez mais congestionada. E numa dessas corridas, mal entrei no táxi, o motorista enfiou no player um CD do Kenny G.

Não sei você, leitor, mas eu odeio a música do Kenny G. Na minha visão de ex-guitarrista (medíocre) de uma bandinha de rock (também medíocre), o que esse gringo faz é música de elevador da pior qualidade. Quindim com melado é menos enjoativo.

Kenny G consegue estragar até música dos Beatles. Consegue estragar até dueto com o melhor de todos, o grande Frank Sinatra. Aliás, como diria minha amiga Marília, misturar Kenny G com Sinatra é como colocar merda em sorvete de creme: não torna a merda palatável e decididamente estraga o sorvete.

Mas, voltando à nossa história, lá estava eu, no táxi, refém de um motorista que, imaginei eu, adorava Kenny G. Como eu estava num dia “zen”, resolvi deixar por isso mesmo e não pedi para o cara trocar o CD. Quase chegando ao destino, puxei papo e acabei perguntando se ele gostava muito daquele tipo de música. E, para meu espanto, ele me respondeu que não.

Não me agüentei e indaguei por que motivo, então, estávamos há mais de 20 minutos ouvindo aquele troço. E ele me respondeu que era apenas porque havia me achado “uma pessoa sofisticada”. E, na visão dele, aquele era o tipo de música que “uma pessoa sofisticada” gostaria de ouvir... Vá entender...

Teria sido tão simples ele me perguntar se eu gostava daquele tipo de som. Ou do que eu gostava. Ou me oferecer várias opções e me deixar escolher. Inclusive permitindo-me optar por viajar em silêncio, se assim me desse na telha.

Pensando bem, tenho visto muitas empresas, pequenas, médias e grandes, dos mais diversos ramos, fazerem exatamente isso que o taxista fez: presumir que sabem o que seus clientes querem, em lugar de fazer algo tão simples e efetivo como dar a estes a chance de manifestar seus anseios e expectativas.

E a sua empresa, caro leitor, como age com relação a isso?

12 de dez de 2007

Uma fita adesiva pode ser diferente? Claro que pode.

Uma cerveja boa pra cachorro (perdoe o trocadilho)

É exatamente o que parece: no Japão (onde mais?) lançaram a Happy Lager, uma cerveja especialmente desenvolvida para cachorros. Até aí, diriam muitas mulheres, qual a novidade? Não há, no Brasil e outros países, um montão de "cachorros" que bebem cerveja?

Só que no Japão o público-alvo são mesmo os cachorros de quatro patas e sem aspas. Ou melhor: seus donos.

Na verdade, trata-se de uma bebida com cara de cerveja e engarrafada com jeitão de cerveja, mas que não contém álcool e tem um ligeiro sabor de carne, que encanta os caninos.

Depois do chocolate para cachorros, das padarias para cachorros e, agora, da cerveja para cachorros, que mais vão inventar para a alegria dos pets mimados (e dos donos a quem sobra grana e falta um parafuso)?

10 de dez de 2007

Flytour compra do Bradesco a American Express Business Travel

Saiu hoje no Pan Rotas, a bíblia do setor de turismo, a confirmação oficial daquilo que todo mundo nesse mercado já sabia e comentava há algumas semanas: a Flytour, cliente do Grupo Cherto, comprou do Banco Bradesco a empresa detentora da licença, para o Brasil, da American Express Business Travel.

Meus parabéns ao meu querido amigo Eloi, fundador e presidente da Flytour, um dos empreendedores que eu mais admiro. Um cara que morou na rua, foi engraxate, lavou automóveis, não passou do curso primário e entrou no mundo do turismo como office-boy da agência da saudosa Dna Stella Barros e que, com muito suór, sangue e lágrimas, conseguiu criar uma das maiores e mais bem sucedidas organizações de viagens do Hemisfério Sul.

9 de dez de 2007

Genial ação de Marketing Interativo e Viral da Dove

Minha assistente Juliana foi quem me deu o toque desta genial ação de Marketing, na forma de um Blog, chamado Já Tentei de Tudo, no qual uma moça (muito bonita, por sinal), chamada Paloma, diz que já tentou passar de tudo nos cabelos, mas eles continuam horríveis. E pede para você sugerir o que ela deve usar para deixar seus cabelos bem sedosos.

Vale a pena CLICAR AQUI para acessar esse Blog. Depois, basta você digitar o que sugere que ela passe nos cabelos e clicar em TENTAR. Primeiro, experimente palavras como azeite, leite, cerveja, águar de côco, ovos e o que mais vier lhe der na veneta. Depois, quando já tiver cansado de brincar, experimente digitar Dove e veja o que acontece.

Um ótimo exemplo de bom Marketing Viral.

Observação: não adianta digitar palavras como merda, esterco, bosta e outras do gênero. Nem a marca de produtos concorrentes da Dove. Se quiser, faça como eu e tente. Mas o resultado é ela praticamente te mandar passear.

6 de dez de 2007

Você teria coragem de frequentar um restaurante com esse nome?

Beleza Natural em Ipanema

Na próxima terça-feira, dia 11 de dezembro, será inagurado em Ipanema o mais novo salão da rede Beleza Natural dos meus amigos Zica (na foto), Leila, Jair e Rogério.

Sou fã dessa brava gente e torço pelo sucesso deles. Gente de fibra e boa cabeça. Que lutou muito para chegar onde chegou, criando o que ouvi um bam-bam-bam do mercado financeiro americano chamar de o Wal-Mart ou o Starbucks dos salões de beleza.

Ação para divulgar molho apimentado Wolf

4 de dez de 2007

A vitrine que interage com quem passa

CLIQUE AQUI para assistir a um vídeo que mostra como a vitrine da loja Elle MacPherson Intimates em Nova York interage com quem passa diante dela. As vitrines interativas representam uma nova fronteira no Marketing.

Essa vitrine, especificamente, utiliza a avançada tecnologia Human Locator, que permite (com base na altura, tamanho do passo, etc de quem passa) que a vitrine reaja de forma diferente - e mostre mensagens e estímulos totalmente diferentes - à passagem de um adulto ou de uma criança.

Assista a vários demos da tecnologia Human Locator, CLICANDO AQUI.

Vídeo dos 10 anos da Endeavor

CLIQUE AQUI para assistir ao vídeo (en Inglês) comemorativo dos 10 anos da Endeavor, ONG internacional que apóia empreendedores de alto impacto em economias emergentes.

Confira as performances de Michael Dell, Bill Salhman (Harvard) e vários outros, incluindo os brasileiros Leila Velez (Beleza Natural), Luís Chicani (ex-DentalCorp), Mario Chady (Spoleto) e este humilde blogueiro.

Já não se fazem idosos como antigamente

Como diz Antonio Carlos Braga, fundador do Age, primeiro centro dedicado ao envelhecimento ativo do Brasil, precisamos urgentemente rever nosso conceito de idoso. É justo continuarmos dizendo que alguém que completa 60 anos de idade ingressa nessa categoria?

Basta ver a capa da Rolling Stone americana deste mês (na foto) para perceber que já não se fazem idosos como antigamente: os integrantes do Led Zeppelin, todos na faixa de 59 a 64, se preparam para uma nova turnê que deverá ser um dos maiores - se não o maior - fenômeno do mundo da música mundial em 2008. Realmente, como dizem os gringos, para quem envelhece ativamente "sixty is the new forty".

Ou seria melhor dizer "sixty is the new thirty"?

3 de dez de 2007

Elvis morto fatura mais que Ivete viva

Está no site do Madia Mundo Marketing: o que os herdeiros de Elvis Presley - morto há 30 anos - vão faturar este ano com direitos autorais, merchandising e outras atividades que envolvem o nome do cantor beira os US$ 49 Milhões.

Enquanto isso, Ivete Sangalo, que muitos consideram a artista brasileira de maior sucesso na atualidade, deve faturar por volta de US$ 16 ou 17 Milhões, no acumulado do ano.

Essa ação de Marketing daria certo no Brasil?

A filial parisiense da agência Rapp Collins criou essa ação de Marketing para a União Nacional dos Detetives Particulares.

A idéia é plantar, na cabeça dos homens que passam pelos banheiros das estações de trem de Paris (homens que ou estão longe de casa ou estão prestes a viajar para longe de casa), que "algo mais" pode ter sido - ou estar sendo, ou estar para ser - plantado nas respectivas cabeças. E sugerir que contratar um dos membros da tal União Nacional pode ser a solução.

Lá, parece estar dando resultado. E aqui, daria?

Da série "e eu que achava que já tinha visto de tudo"

Na cidade praiana de Akashi, no Japão, o dono do restaurante Mumin Papa resolveu inovar. E investiu cerca de US$ 270 mil para construir, no WC feminino, uma privada subaquática. A idéia é que as moçoilas possam ter a sensação de nadar em pleno fundo do mar enquanto, digamos assim, se aliviam.

CLIQUE AQUI para assistir ao vídeo no qual, entre outras coisas, o empresário conta que a tartaruga que não tira os olhos de quem está no banheiro é, sim, macho. E parece ter um grande interesse em testemunhar o que se passa naquele ambiente tão, digamos assim, privado.

No vídeo, aproveite para conferir a estética de um típico programa de auditório da TV japonesa. Estética essa que consegue a façanha de ser ainda mais bizarra que a dos nossos programas de TV.

2 de dez de 2007

Algumas coisas mudaram para melhor...

A matéria saiu meio escondida, mas está lá, na edição de hoje de O Estado de S. Paulo: trazido a valor presente (ou seja: devidamente corrigido) o preço de uma TV GE de 12,5 polegadas em Preto & Branco (a moçada mais nova nem sabe o que é isso) que constava de um anúncio da Sears veiculado no próprio Estadão em setembro de 1950 - quando entrou no ar o primeiro canal brasileiro de tlevisão - era do equivalente a R$ 9.700,00. Isso mesmo: em dinheiro de hoje, quase 10 mil Reais!!!