30 de set de 2007

Um baralho Hello Kitty de ouro? Agora, acho que já vi de tudo

No dia 3 de outubro, para comemorar o 33º aniversário da Hello Kitty, a Sanrio deve colocar à venda em sua loja online um baralho com imagens desse personagem infantil cujas cartas são todas feitas de ouro maciço. Cada carta leva 0,73 gramas de ouro puro e é revestida com uma lâmina de plástico sobre a qual são impressos o naipe e a figura (ver foto).

O Set de 54 cartas vai custar 567.000 Ienes. O equivalente a aproximadamente 5.000 dólares. Ou perto de R$ 10.000,00. E deve ter muita gente interessada em comprar algo assim. Especialmente colecionadores.

Como se não bastasse, a empresa também vai lançar quadrinhos e outros objetos decorativos feitos em ouro maciço, com imagens da Hello Kitty.

Como se diz em Santos, "siri que bóia, a onda leva"

Entre comerciais na TV, spots de rádio, anúncios em revistas e jornais, logos em camisetas e outras peças de vestuário, outdoors, placas, fachadas de lojas, totens, faixas de rua, rótulos, adesivos em veículos, popups nos seus websites favoritos, mensagens de Spam, camelôs que chamam, vendedores porta-a-porta e o diabo a quatro, um consumidor médio está exposto a pelo menos 3.000 "mensagens publicitárias" por dia. Eu disse TRÊS MIL POR DIA !

Ou você tem uma mensagem consistente e convincente e uma estratégia muito bem pensada para levá-la aos consumidores de seus produtos e/ou serviços, diretamente, via seus Canais de Marketing e através dos meios de comunicação à sua disposição, ou vai dançar. Sem direito e choro, nem vela.

29 de set de 2007

The Snack Culture - Cultura em pequenas porções

Quem me deu a dica foi o dublê de empresário e músico João Marcelo Bôscoli, numa conversa que tivemos esta semana: em março deste ano, a revista Wired (que considero uma benção no mar de mesmices que, com raríssimas exceções, são as bancas de revistas, tanto daqui, como do Exterior) publicou uma matéria excelente a respeito da Snack Culture.

Trata-se dessa onde de consumirmos todo tipo de cultura, seja música, TV, filmes, ou o que for, da mesma forma que consumimos biscoitos, balas e salgadinhos: empacotadas em pequenas porções do tamanho de uma bocada, para consumo imediato. O que permite consumir cada vez mais cultura, em velocidade e frequència crescentes.

Se você se vira bem com leituras em Inglês, recomendo a matéria, que você acessa CLICANDO AQUI.

27 de set de 2007

Vending-machine que funciona com energia solar

Economia em energia, possibilidade de instalar em locais onde não há instalação elétrica (no meio de uma praia, por exemplo), ecologicamente correta, com espaço para colar adesivos de propaganda. Quer mais?

26 de set de 2007

Um robe de banho para o cachorro?

O que você me diz de um hotel que (1) permite a hospedagem de cachorros no quarto do respectivo dono, (2) coloca no quarto uma poltroninha ou mini-sofá especialmente para o bichinho (no mesmo padrão do restante da mobília do quarto) e (3) fornece um mini-robe para o bichinho vestir?

É o que faz o W Hotel situado em Times Square, em Nova York.

A mim, pode não atrair. Como, de fato, não atrai. Mas conheço um monte de gente que preferiria se hospedar num hotel assim... mesmo que custasse mais caro que os similares que não oferecem tratamento especial a hóspedes caninos.

25 de set de 2007

Curso super-intensivo de finanças para empreendedores

Remexendo meus guardados à procura de outra coisa, dei de cara com as anotações que fiz durante a palestra que Bill Sahlman fez no Endeavor Entrepreneur Summit, em Miami, em maio.

Bill Sahlman é professor (e já foi vice-reitor) de Harvard, onde ensina Finanças para Empreendedores. E também se envolveu com a criação de mais de uma centena de negócios, alguns absolutamente revolucionários. Além disso, é acionista e integra, ou já integrou, os Conselhos de Administração ou Conselhos Consultivos de algumas dezenas de empresas. Em suma, não é o típico acadêmico.

Pois no tal Summit Bill resumiu num slide, segundo ele, tudo o que um empreendedor precisa saber sobre Finanças, fruto de décadas de pesquisas, um PhD em Finanças e anos de prática empresarial:

1- Dinheiro agora é melhor do que dinheiro depois;

2- Mais dinheiro é melhor do que menos dinheiro;

3- Dinheiro atrelado a baixo risco é melhor que dinheiro atrelado a alto risco; e

4- Nunca fique sem dinheiro.

24 de set de 2007

Mercedes-Benz ousa no Marketing

Todo mundo que entende um pouquinho de Marketing sabe que as ações promocionais que mais geram resultados são as que, de alguma forma, propiciam ao consumidor-alvo uma "Brand Experience", ou seja: uma oportunidade de ter uma Experiência com a Marca, de ter alguma sensação ligada ao produto. Uma experiência positiva, é claro.

Pois veja que genial essa ação da Mercedes-Benz: um cartão convidando proprietários de automóveis que são concorrentes diretos (ou quase diretos) dos seus a fazer um test-drive de um Mercedes. O detalhe é que esse cartão-convite vem acoplado a uma cópia da estrela de 3 pontas com uma ventosa que permite prendê-la ao capô de carros dessas outras marcas.

A visão que o motorista sentado ao volante tem da famosa no bico do capô do próprio Audi, BMW ou Skoda é, provavelmente, o mais perto que pode ter de uma experiência com a marca Mercedes sem estar ao volante de um Mercedes.

Nota mil para quem teve essa idéia genial!

22 de set de 2007

Playboy abre nova loja em Londres

Pelo jeito, tem um monte de gente interessada em comprar (e usar) lingerie sexy, roupas e acessórios, roupas de cama e banho, artigos para a casa e mais um monte de objetos com a marca do coelhinho.

Tanto é assim que a Playboy inaugurou ontem, em Londres, sua décima loja. A maior de todas.

Confira, na foto, o tipo de produto que eles vendem lá.

Vá ser flexível assim na China! Ou melhor, no Japão

Tinha que ser japonês: CLIQUE AQUI para assistir ao vídeo de demonstração do FlexibleLove, a poltrona/sofá criada no Japão, a partir de restos de madeira e papelão reciclado.

O nome vem de Flexible Love Seat.

Love Seat é aquele tipo de poltrona onde cabem duas pessoas sentadas... embora bem apertadas. O que a torna ideal para namorar.

21 de set de 2007

Mais toalhas empacotadas com cara de comida

Alguns dias atrás, publiquei aqui um post sobre uma fábrica japonesa de toalhas que embala seus produtos de modo que fiquem com cara de doces típicos da patisserie francesa.

Pois esta foto ao lado, acredite se quiser, é de produtos de um outro fabricante de toalhas,também japonês, que os empacota para que fiquem com cara de frutas e legumes, tais como os que seriam vendidos num supermercado de alto luxo, seja em Tokyo, Chicago ou São Paulo.

Uma coisa interessante é observar a importância crescente que os japoneses dão à embalagem. É nítido que percebem a embalagem como elemento diferenciador. O que é óbvio, mas nem sempre é levado a sério. Especialmente no Brasil, onde poucas empresas cuidam das embalagens de seus produtos como deveriam.

O apetite tributário do Governo não tem fim

Agora, consumidor que se cadastrar no Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de São Paulo poderá receber de volta até 30% do ICMS registrado na nota ou cupon fiscal. Basta se identificar, no momento da compra, pelo CPF ou CNPJ.

Esses 30% poderão ser depositados em conta-corrente ou conta-poupança, ou creditados em algum cartão de crédito, ou utilizados para redução do valor de IPVA do exercício fiscal seguinte ou, por último, transferidos para outra pessoa.

Esta semana, foi publicada a Resolução 50/07 da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, que disciplina o cadastramento de pessoas físicas e jurídicas via internet. CLIQUE AQUI para ler o texto da Resolução.

Futebol perde espaço para corrida

Pelo jeito, o futebol está perdendo espaço para a corrida, como o esporte favorito dos brasileiros. Em 2001, havia no Brasil cerca de 6.000 corredores (entre os quais este humilde blogueiro já se incluía). Hoje, somos mais de 500.000 !

O reflexo disso no Varejo já se faz notar: os tênis de corrida (que chegam a custar mais de R$ 500) já representam 28% das vendas dos calçados esportivos (os tênis em geral - aquilo que os gringos chamam de sneakers), contra os 20% representados pelos tênis para futebol. E as vendas de calçados para corrida continuam subindo 10% ao ano, devendo totalizar, neste ano, segundo estimativas, mais de R$ 1,5 Bilhão.

20 de set de 2007

Outdoor genial para vender seguros

Quanta criatividade neste outdoor da seguradora americana Nationwide. Dizem que aqueles que viam pela primeira vez levavam um susto enorme, até se darem conta do absurdo da situação. E, então, caíam na risada.

O que gerou de divulgação expontânea, tanto na mídia, como via boca-a-boca, não foi pouco.

Como se vê, dá para ser inovador e ousado até mesmo quando se trata de vender algo tão "sem glamour" (e tão "commoditizado") quanto um seguro de automóvel.

Fundo compra Grupo Viena

Agora é oficial: o fundo Advent, maior private equity com atuação no Brasil, que já deteve uma parte da na Totvs (leia-se Microsiga, RM, etc.) e detém participações importantes (para dizer o mínimo) na Dufry (ex-Brasif, que opera lojas Duty Free nos aeroportos), no Paraná Banco, no Grupo RA (alimentação em aeroportos catering aéreo), na Atmosfera (lavanderia) e na CSU, acaba de adquirir o controle do Grupo Viena, uma das mais conhecidas organizações de Food-Service do país. Suas marcas mais conhecidas do grande público são: Viena, Viena Express e Ráscal.

O fundador do Grupo Viena, Roberto Bielawski, é considerado um dos melhor operadores de Food-Service do Brasil. E agora está usufruindo o resultado de anos de dedicação ao negócio, que sempre tocou dentro do mais absoluto profissionalismo e formalidade.

A aquisição é mais um lance no jogo de consolidação por que passa o mercado brasileiro de Food-Service. Jogo esse que está ficando cada vez mais interessante e divertido. Dá até vontade de entrar nele com mais fé.

19 de set de 2007

Ninguém compra uma furadeira: compra os furos que vai fazer com ela

A frase acima é usada à exaustão por professores de Marketing mundo afora. Quer dizer que não adianta a gente querer vender um produto ou serviço (mesmo um produto mais "técnico", como uma furadeira) divulgando suas características (features). É fundamental divulgar seus benefícios.

Pois o cartaz da foto faz exatamente isso, dizendo "fura qualquer coisa".

A grande sacada está em colocar o cartaz na entrada de um túnel, dando a entender que a tal furadeira seria capaz de furar até mesmo um maciço de pedra. Nota mil em criatividade.

17 de set de 2007

Uma "vending machine" de bicicletas? Quem diria?

Pois é. Em Amsterdam, Holanda, foi criado o Bike Dispenser, um modelo inovador de negócio de aluguel de bikes: o cliente paga um valor relativamente baixo (mais ou menos R$ 7,50 por 20 horas de uso), retira sua bicicleta numa das máquinas (ver foto) e pode devolvê-la na mesma máquina, ou em outra. Se preferir, pode deixá-la em qualquer lugar, pois as bikes são equipadas com RFID, o que permite que a empresa as localize e leve para a “vending machine” mais próxima.

Poderia dar certo num país como o Brasil? Na minha visão, nem a pau, Juvenal. Aliás, acredito que nem nos EUA as cidades um pouquinho maiores comportem algo que requer tamanha dose de civilidade e de respeito pela propriedade alheia. Mas achei legal falar do assunto para você, leitor. Dentro do mesmo espírito que me leva a visitar antiquários, galerias de arte e lojas de carros antigos que vendem coisas totalmente fora das minhas possibilidades financeiras. Vou a esses lugares para “apurar o gosto”. Da mesma forma, espero que esse modelo de negócio holandês nos leve a refletir sobre como nossa vida poderia ser bem melhor se nosso país fosse um pouquinho mais civilizado.

Vivi algum tempo nos EUA e continuo me maravilhando com uma diferença fundamental entre nossas culturas: lá, a coisa pública é de todo mundo; enquanto aqui a coisa pública não é de ninguém. Na Europa, ou, ao menos, em alguns países (como a Holanda, a Suécia e outros), assim como no Japão, os caras vão um passo além: a propriedade dos outros também merece respeito, da mesma forma que os bens públicos.

Será que, um dia, vamos poder dizer a mesma coisa do Brasil? Será que, um dia, vamos poder caminhar pela Avenida Paulista, à noite, com a mesma tranqüilidade com que um suíço caminha pelas margens do lago, em Lugano? Ou como eu caminhava pelo centro de Melbourne, quando passei algumas semanas morando e trabalhando na Austrália? Sei lá. Com nossos políticos atuais, é difícil acreditar que algo assim possa acontecer. Mas não custa sonhar.

16 de set de 2007

Transformando um ponto fraco numa virtude

Minha amiga sempre antenada Renata Alves Lima, cantora (das boas) e redatora (idem), foi quem tirou e me mandou esta foto da chaminé-pescoço que sai do telhado da lanchonete Yellow Giraffe, na Rua Amauri, em São Paulo. Muito bem sacada!

Como diz a Renata, a gente sempre acha que, quando se trata de uma chaminé, quanto mais invisível, melhor. Mas não precisa ser assim. Como não dá mesmo para tornar invisível uma chaminé desse tamanho, é melhor dar um jeito de fazer dela uma chaminé-outdoor, ou uma chaminé-design, sei lá. No caso, uma chaminé-pescoço-de-girafa, que tem tudo a ver com o nome do lugar.

Fez a Renata dar risada. Me fez dar risada. Fez minha mulher dar risada. Portanto, parece ser eficaz. Com diz a Renata, dá quase para a gente acreditar que a fumaça que sai de uma chaminé tão transada nem deve poluir.

Resumindo: uma solução simples e barata, que torna em virtude arquitetônica aquilo que, na visão da maioria, seria um tremendo defeito. Além de ser, como bem observa a Re, um engenhoso drible na Lei Cidade Limpa. Nota mil para quem teve a idéia de pintar essa chaminé.

14 de set de 2007

Para não recuperar a gordura perdida com a dieta

Ação promocional simples, direta. Na Bélgica, distribuíram bumerangues feitos de uma resina que tem cara de bacon. Em cada bumerangue, uma etiqueta que, numa tradução um tanto livre, diz: "Não quer que a gordura volte? Vigilantes do Peso"

Todo mundo que já fez (ou faz) dieta, sabe que o duro não é perder gordura: é evitar que ela volte.

Melhor do que isso, só se a promoção fosse feita na Itália, onde bacon se chama Pancetta (palavra que também significa uma pequena pança).

Negócios que mudam o tempo todo (4)

Continuando no tema, mas deixando para trás o espaço GrandOpening (a fila tem que andar), quero contar a vocês sobre um restaurante inaugurado há pouco em Nova York (na Park com a 63). O qual vai encerrar suas operações daqui mais algumas semanas... para reabrir em seguida com um nome, proposta, cardápio, decoração, uniformes do pessoal, toalhas e tudo mais totalmente diferentes. E vai funcionar assim durante 3 meses para, a seguir, fechar novamente e reabrir com uma cara diversa... e assim por diante.

Ou seja: trata-se de um restaurante que muda radicalmente a cada 3 meses! Outra idéia genial.

Atualmente, o nome do lugar é Park Avenue Summer. Mas isso vai mudar em breve. Pelo jeito, para Park Avenue Fall ou algo assim. E de novo, depois de 3 meses. Provavelmente para Park Avenue Winter E assim por diante... enquanto o negócio existir.

Para que ninguém pense que se trata de maluquice de um bando de moleques aventureiros, ou socialites sem ter o que fazer, é bom que eu diga logo que se trata de um empreendimento do tradicional grupo de restaurantes Smith & Wollensky. Gente do ramo, que deve saber o que está fazendo.

Confira o visual atual do lugar CLICANDO AQUI.

13 de set de 2007

Marmelada Federal

Veja o que um publicitario criativo (e tão P--- da Vida quanto eu e você, caro leitor) criou, com base na patifaria que ocorreu ontem no Senado.

O desenvolvimento do produto ficou por conta do departamento de R&D da empresa Lula & Co.

Observe, no rótulo, a indicação de que o produto "contém 81 picaretas". Na verdade, acho que contém mais do que isso. E também um bocado de bananas (nós). Se algo assim acontece num país de gente de coragem, neguinho pegava em armas para depor todos os senadores. No mínimo.

Outdoor genial (na África do Sul)

O texto, colocado sob a única das 4 lâmpadas que é acesa, diz simplesmente: "Use eletricidade de forma sábia". Ou, numa tradução bem livre: "Eletricidade: use com moderação". Não precisa dizer mais nada.

Marcas estranhas (2)

A foto que me enviou o Darcio me fez lembrar de uma joalheria muito chique que minha mulher e eu vimos na charmosíssima Galeria Queen Victoria, em Sydney, Austrália, que se chama (acredite se quiser) Bunda.

Se não acredita, CLIQUE AQUI para visitar o site dos caras e conferir.

É de se perguntar se de uma loja chamada Bunda pode sair alguma coisa que preste.

Marcas estranhas

Passeando pela Croácia, meu amigo Dárcio deu de cara com essa placa. E me pergunta se daria para franquear uma lanchonete com essa marca por aqui.

12 de set de 2007

Fusões & Aquisições no mundo das franquias

Uma leitora deste Blog pergunta como vejo o movimento de algumas empresas franqueadoras brasileiras, que estão adquirindo o controle de empresas que são suas concorrentes (como é o caso da Wizard, que adquiriu a Skill, a Planet e a Yeski).

Minha leitura é de que o mercado de franquia vai passar por um tsunami de Fusões & Aquisições ao longo dos próximos anos.

Como escala se torna cada vez mais fundamental e escala se obtém via crescimento e uma das formas de crescer é comprar ou se fundir com concorrentes, não tem muita saída: quem não comprar outras empresas, vai ser comprado ou vai ter que encontrar outra forma de se integrar com alguém do mesmo ramo (associativismo, central de negócios, acordos operacionais, fundos de investimento - há vários mecanismos, mas todos levam à consolidação).

E quem não comprar, nem for comprado, nem se fundir, corre o risco de desaparecer. A não ser que consiga obter um crescimento orgânico brutalmente veloz...

Prêmio Empreendedor de Sucesso - não perca essa chance

A revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios e o Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da Fundação Getulio Vargas se juntaram para promover o 1º Prêmio Empreendedor de Sucesso de Pequenas Empresas e Grandes Negócios. O objetivo é estimular o espírito empreendedor e fomentar a criação de novos negócios no Brasil. Além, é claro, de identificar e divulgar exemplos que demonstrem que empreender pode ser uma alternativa ao tradicional mercado de trabalho.

Serão concedidos prêmios nas categorias Inovação, Oportunidade e Crescimento. A empresa que alcançar o melhor desempenho nas três categorias receberá o prêmio principal. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas até 30 de setembro. CLIQUE AQUI para se inscrever.

Negócios que mudam o tempo todo (3)

Estou tão encantado com a inventividade e agilidade do conceito que vou continuar falando da loja/espaço conceitual GrandOpening, que, neste momento, se chama PONG e funciona como um espaço para a prática e a promoção do Ping-Pong (ver os dois posts logo aqui abaixo). Apesar de ficar numa região nada chique de Manhattan, o espaço vem sendo mais comentado do que qualquer loja da 5ª Avenida, da Madison ou do Soho.

Seus fundadores são os irmãos Ben e Hall Smyth, cuja grande especialidade é criar exposições para museus e empresas. Algo que tem tudo a ver com a forma como conceberam seu espaço / loja para ser: nada mais do que uma exposição temporária... só que vendendo serviços ou objetos, em lugar de apenas exibi-los. Uma senhora idéia ! E muito fácil de se copiar.

11 de set de 2007

Negócios que mudam o tempo todo (2)

Antes de se tornar um espaço para a prática de Ping-Pong, o espaço conceitual da loja GrandOpening serviu, durante 3 meses, como uma stand para a venda de um estábulo convertido em moradia e atelier. Visite o site e clique em “Previous Stores”, no canto superior da página.

10 de set de 2007

Negócios que mudam o tempo todo (1)

Você e eu sabemos que, salvo raras exceções, as lojas de forma geral alteram suas vitrines com uma certa regularidade. Algumas o fazem toda semana, outras a cada 15 dias, outras uma vez por mês, outras, ainda, quando pinta uma nova coleção. Não é isso?

Pois aqui vamos falar de negócios que mudam, não apenas a vitrine, mas tudo. Ou seja: negócios que se reinventam periodicamente. Como, por exemplo, a GrandOpening, uma loja (ou seria um “espaço conceitual”, como já a chamou o New York Post?) que fica em Nova York e, como o próprio nome diz, está sempre “em modo Inauguração”. Nesse espaço conceitual, tudo muda a cada 3 meses. Mudam a decoração e o layout, mudam as atividades e o escambau. Muda até o nome.

Para você ter uma idéia, neste momento o tema da loja é Ping-Pong. E o nome na fachada é PONG. O espaço da loja (se é que pode ser chamado de loja) foi transformado num salão para a prática desse esporte. Inclusive com uma mesa profissional, onde os clientes pagam US$ 3 (mais ou menos R$ 6) por pessoa para jogar durante 20 minutos. Se você mora perto, uma webcam permite que verifique se a mesa está livre ou ocupada.

Também é possível alugar todo o espaço por US$ 50 (mais ou menos R$ 100) por hora (com mesa, decoração e tudo mais) para fazer uma festa ou realizar um torneio particular. E há também um equipamento de gravação, que permite que você assista ao replay de seu próprio jogo. Você pode até colocar o vídeo de seu jogo no YouTube, como fizeram estes carinhas a cujo jogo você pode assistir clicando aqui.

9 de set de 2007

Publicitário inteligente tira partido até da paisagem

Os morrotes das fotos existem de verdade. Estavam ali, esperando que alguém sacasse que parecem seios. Porque realmente parecem um par de seios. E dos bem calibrados.

Aí, algum publicitário genial sacou e instalou no local um outdoor no qual aparece apenas a marca Wonderbra (daqueles sutiãs que levantam tudo). Como se fosse uma “assinatura”. Simples, criativo, engraçado, efetivo. Um anúncio nota mil.

Clique aqui para ver (no Google Maps) a foto de satélite do local. Dando menos zoom e menos zoom, consegui saber que fica em algum lugar da Europa. Mas fiquei com dúvida de em qual país. Será que algum leitor um bocadinho mais letrado em Geografia pode me ajudar a identificar o lugar?

The Amazing Music Machine

Clique aqui para assistir ao vídeo The Amazing Music Machine. Tem gente que chega a acreditar que essa máquina existe de verdade.

Mas não existe. É uma animação para lá de bem feita. E com um som bem bacana.

6 de set de 2007

Ótima ação de Marketing do Rexona V8

Confesso que esta ação me havia passado despercebida. Graças a Deus pelos amigos! Meu brother Rico Lindenbojn, da Ponto Zero, sempre ligado nessas coisas, me mandou os links. Vale a pena ver a forma criativa que encontraram para divulgar o novo desodorante V8 (para homens).

CLIQUE AQUI para assistir ao vídeo. E DEPOIS (eu disse DEPOIS) clique aqui para visitar o site e ver o restante da promoção (que inclui o sorte de Mavericks V8 totalmente restaurados e personalizados).

4 de set de 2007

Cassino de Veneza usa espaço alternativo para fazer Marketing

A foto diz tudo: uma agência criativa transformou cada uma das esteiras de bagagens do Aeroporto Marco Polo, em Veneza, numa imitação de uma imensa roleta. E ainda colocou em cada uma a mensagem “Keep Playing” (“continue jogando”). Genial !

Como se não bastasse o estímulo visual, ao retirar-se da área de bagagens o passageiro recebe um ingresso gratuito para visitar o Cassino.

Desde que a ação foi implementada, o número de pessoas que vão ao Cassino cresceu 60%. Eu disse 60% !!! Êta estrategiazinha eficaz, não? Simples, barata e eficaz.

Não, este não é um Blog pornô !!!

Portanto, examine novamente a foto, antes de tirar conclusões precipitadas. Você vai notar que se trata de um guardanapo estampado com a imagem de uma mão que “invade” um zíper aberto.

É apenas uma ação de Marketing “no-media” que vem sendo implementada em alguns restaurantes da Áustria, para promover um tal Studio Relax, uma casa de massagens “for men”. Atividade que, diga-se de passagem, lá é 100% legal.

Ação ousada, sem dúvida. Mas tremendamente criativa. Divertida e bem feita. Além de ter tudo a ver com o negócio que pretende divulgar.

3 de set de 2007

O supermercado que nem parece supermercado

Acredite se quiser: isto que você vê na foto é um supermercado. Fica na Áustria e se chama MPreis. Vale a pena visitar o site dos caras... mesmo que você não entenda nada do que está escrito.

TAMBÉM VALE A PENA CLICAR AQUI para ver que é possível agregar um design inovador a qualquer coisa. Até mesmo à venda de tomates e sabão em pó.

Um dia ainda vou conseguir convencer as pessoas que trabalham comigo que design é importante paca. Mesmo para uma empresa de consultoria. E que até uma planilha pode ficar com uma cara mais atraente.

Mídia à flor da pele

Quem já correu uma maratona (42km 195m – e é sempre bom não esquecer dos 195 metros, pois são os mais difíceis) sabe o quanto é importante saber em quanto tempo você está conseguindo correr cada km e a quanto deverá correr cada um... se quiser completar a prova dentro de um tempo pré-programado. Todo maratonista carrega sua tabelinha, geralmente na forma de um cartãozinho plastificado a ser levado na bolsinha de cintura, junto com as bisnagas de repositor de carboidrato (os powergels da vida), os sachezinhos de sal e dois ou três comprimidos de analgésico. Ou então presa ao braço, como uma pulseira. Nada confortável.

Pois a empresa americana PaceTat, sediada em Washington, DC, sacando isso, resolveu oferecer tabelinhas que são impressas na hora, de acordo com o ritmo que cada corredor pretende fazer e que podem ser coladas na pele do braço, como se fossem tatuagens temporárias (ver foto). E vende espaço publicitário nesses tattoos. Um mercado interessante para muitos anunciantes, especialmente quando se leva em consideração que os cerca de 40 Milhões de corredores americanos têm uma renda familiar anual média de US$ 113 mil. Quantas empresas não gostariam de ter cada um desses caras com sua marca tatuada na pele... nem que sejam por algumas horas?

2 de set de 2007

Mais um lance no processo de consolidação do mercado brasileiro de franquias

O Grupo Multi, que controla as redes de franquias que operam sob as marcas Wizard, Alps e várias outras, anunciou a compra da empresa franqueadora da rede Skill. Com isso, o Grupo Multi passa de 1.550 para mais de 1.800 franquias de escolas de idiomas. É a segunda maior rede de franquias do Brasil, atrás somente de O Boticário, que tem cerca de 2.400 lojas em funcionamento no país.

E, pelo que diz Carlos Martins, fundador e presidente do Grupo Multi, outras aquisições vêm por aí.